Um mesmo sonho: o monstro de Frankenstein, o robô e o homem biónico

Autores

  • Lurdes Macedo Universidade do Minho

DOI:

https://doi.org/10.17231/comsoc.12(2007).1100

Palavras-chave:

Ciência e tecnologia, sonho, monstro de Frankstein, robô, homem “biónico”, reconciliação com a natureza

Resumo

Partindo da tese de que ciência e sonho são interdependentes, inteligível e “maravilhoso” se confundem como objectos de investigação e a relação entre sujeito e objecto de estudo pode ser bidireccional, este pequeno ensaio procura questionar a supremacia do Homem sobre as realizações da tecnologia.Propõe-se, assim, a análise de três grandes paradigmas da criação de vida artificial que animam o nosso imaginário em torno desta questão: o monstro de Frankenstein, o robô e o homem biónico.O mito da deificação do Homem revela o desejo do domínio do enigma da vida, ao mesmo tempo que ilude a negação da morte. Mas aspirar à eternidade num tempo em que se celebra o efémero e em que se abandonaram as grandes finalidades, denuncia um empobrecimento do sentido escatológico da existência humana que se vê reduzido à busca pela supressão da morte.A reconciliação do Homem com a Natureza, proposta pela Teoria Crítica, pode assim configurar uma nova utopia na qual o Homem controla a sua relação com a tecnologia através da assunção de uma condição que lhe é intrínseca: o de ser natural.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2007-12-19

Como Citar

Macedo, L. (2007). Um mesmo sonho: o monstro de Frankenstein, o robô e o homem biónico. Comunicação E Sociedade, 12, 133-146. https://doi.org/10.17231/comsoc.12(2007).1100

Edição

Secção

Figurações tecnológicas