A Controvérsia na Cobertura Mediática de Saúde: A Aplicação Stayaway Covid e as Fontes de Informação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.17231/comsoc.40(2021).3254

Palavras-chave:

pandemia, media, fontes de informação, controvérsia, jornalismo de saúde

Resumo

Apresentada como um importante instrumento no combate à progressão da pandemia de covid-19, desde que foi mencionada pela primeira vez nos media, a aplicação Stayaway Covid manteve-se em cena no panorama mediático nacional, tendo originado cerca de 1.400 notícias em 2020. Este assinalável volume de notícias justifica-se não só pela potencial relevância desta tecnologia em contexto de pandemia, mas também pelas polémicas que se levantaram na opinião pública e nos media. De forma a contribuir para a compreensão da cobertura noticiosa da aplicação, foram analisadas as fontes de uma amostra de 182 notícias de imprensa, rádio e televisão com referência à Stayaway Covid, distinguindo as que focam as controvérsias da privacidade e da obrigatoriedade das que não o fazem. Os resultados evidenciam que, neste caso de controvérsia em saúde pública, os especialistas não assumiram o protagonismo, tendo os políticos tido um papel mais preponderante a alimentar a polémica, sobretudo no que diz respeito à intenção de tornar a aplicação obrigatória.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografias Autor

Sandra Pinto, Fundação Bial, Trofa, Portugal

Sandra Pinto é mestre em ciências da comunicação (2010) e licenciada em comunicação social (1997) pela Universidade do Minho. Iniciou o seu percurso profissional na sede da Portugal Telecom (atual Altice), onde realizou durante 2 anos variados trabalhos na área da comunicação interna. Ingressou no INESC TEC em 2000 como técnica de comunicação, tendo assegurado a atividade do então criado serviço de comunicação desde essa data. Entre abril de 2006 e maio de 2021, assumiu a função de responsável de comunicação, prosseguindo atividades de comunicação de ciência com vista à promoção e dinamização do conhecimento, imagem e prestígio da instituição. Entre junho de 2018 e março de 2020, assumiu também a função de head of communications no programa UT Austin Portugal, acolhido no INESC TEC. Desde junho de 2021, assegura a comunicação da Fundação Bial.

Eunice Oliveira, Serviço de Comunicação, Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência, Porto, Portugal

Eunice Oliveira integra, desde 2012, o Serviço de Comunicação do INESC TEC, onde tem desempenhado várias tarefas de comunicação de ciência. Integra também a equipa do INESC TEC que faz parte do consórcio português da Enterprise Europe Network, uma iniciativa da Comissão Europeia. Em 2013 e 2014, conciliou a sua atividade no INESC TEC com o trabalho de comunicação do programa CMU Portugal. Antes de ingressar no INESC TEC, trabalhou como jornalista num canal de televisão portuguesa e também no departamento de comunicação da câmara municipal de Moimenta da Beira. Licenciou-se em jornalismo (2008) e mais tarde concluiu o mestrado em comunicação e jornalismo (2011), ambos na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Em 2016, concluiu uma pós-graduação em marketing digital e e-business.

Elsa Costa e Silva, Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade, Instituto de Ciências Sociais, Universidade do Minho, Braga, Portugal

Elsa Costa e Silva é professora de economia política da comunicação e de jornalismo na Universidade do Minho. Os seus interesses de investigação centram-se na concentração da propriedade dos media, economia dos media e regulação. Publicou em várias revistas nacionais e internacionais. É coordenadora do Grupo de Trabalho de Economia e Políticas de Comunicação da Associação Portuguesa de Ciências da Comunicação (Sopcom). Foi jornalista do Diário de Notícias.

Referências

Cabrera, A., Martins, C., & Cunha, I. F. (2020). A cobertura televisiva da pandemia de covid-19 em Portugal: Um estudo exploratório. Media & Jornalismo, 20(37), 185–204. https://doi.org/10.14195/2183-5462_37_10

Comissão Europeia. (s.d.). Aplicações móveis de rastreio de contactos nos Estados-Membros da EU. Retirado a 6 de fevereiro, 2021, de https://ec.europa.eu/info/live-work-travel-eu/coronavirus-response/travel-during-coronavirus-pandemic/mobile-contact-tracing-apps-eu-member-states_pt

Gaspar, A. S. (2016). Comentário [Comentário no artigo Breast cancer screening in women aged 40 to 49 years: Do the benefits outweigh the harms?]. Revista Portuguesa de Medicina Geral e Familiar, 32,78–79. http://www.scielo.mec.pt/pdf/rpmgf/v32n1/v32n1a13.pdf

Estatuto do Jornalista. Lei n.º 1/1999, Diário da República n.º 10/1999, Série I-A de 1999-01-13 (1999). https://dre.pt/web/guest/legislacao-consolidada/-/lc/58785580/202101061416/58809843/diploma/indice

Hivon, M., Lehoux, P., Denis J. L., & Rock, M. (2010). Marginal voices in the media coverage of controversial health interventions: how do they contribute to the public understanding of science? Public Understanding of Science, 19(1), 34–51. https://doi.org/10.1177%2F0963662508088668

Lopes, F. (2016). Uma proposta de um modelo taxonómico para a classificação de fontes de informação. Observatório (OBS*) Journal, 10(4), 180–191. http://obs.obercom.pt/index.php/obs/article/view/951

Lopes, F., Marinho, S., Fernandes, L., Araújo, R., & Gomes, S. (2013). A saúde em notícia na imprensa portuguesa entre setembro de 2010 e junho 2013. In F. Lopes, T. Ruão, S. Marinho, Z. Pinto-Coelho, L. Fernandes, R. Araújo, & S. Gomes (Eds.), A saúde em notícia: Repensando práticas de comunicação (pp. 56–79). CECS. https://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/1822/29800/1/Ebook_projeto_saude.pdf

Lopes, F., Ruão, T., & Marinho, S. (2010). Gripe A na imprensa portuguesa: Uma doença em notícia através de uma organizada estratégia de comunicação. Observatório (OBS*) Journal, 4(4), 140–147. http://obs.obercom.pt/index.php/obs/article/view/442

Magalhães, O., Lopes, F., & Araújo, R. (2020). Doenças oncológicas em notícia: A força da investigação médica. Observatório (OBS*) Journal, 14(3), 120–133. http://obs.obercom.pt/index.php/obs/article/view/1565/pdf

Munzert, S., Selb, P., Gohdes, A., Stoetzer, L. F., & Lowe, W. (2021). Tracking and promoting the usage of a covid-19 contact tracing app. Nature Human Behaviour, 5(1), 1–9. https://doi.org/10.1038/s41562-020-01044-x

Nagler, R. H., Fowler, E. F., & Gollust, S. E. (2015). Covering controversy: What are the implications for women’s health? Women’s Health Issues, 25(4), 318–321.https://doi.org/10.1016/j.whi.2015.04.011

Nagler, R. H., Fowler, E. F., Marino, N. M., Mentzer, K. M., & Gollust, S. E. (2019). The evolution of mammography controversy in the news media: A Content analysis of four publicized screening recommendations, 2009 to 2016. Women’s Health Issues, 29(1), 87–95. https://doi.org/10.1016/j.whi.2018.09.005

Nisbet, M. C., Brossard, D., & Kroepsch, A. (2003). Framing science: The stem cell controversy in an age of press/politics. Harvard International Journal of Press/Politics, 8(2), 36–70. https://doi.org/10.1177%2F1081180X02251047

Patil, R. R. (2011). Public health controversies: Common characteristics. Journal of global infectious diseases, 3(1), 97–98. https://doi.org/10.4103/0974-777X.77308

Pinto, M. (2000). Fontes jornalísticas: Contributos para o mapeamento do campo. Comunicação e Sociedade, 2, 277–294. https://doi.org/10.17231/comsoc.2(2000).1401

Reynolds, B., & Seeger, M. (2005). Crisis and emergency risk communication as an integrative model. Journal of Health Communication, 10, 43–55. https://doi.org/10.1080/10810730590904571

Shuchman, M., & Wilkes, M. (1997). Medical scientists and health news reporting: A case of miscommunication. Annals of Internal Medicine, 126, 976–982. https://doi.org/10.7326/0003-4819-126-12-199706150-00008

Szabo, A. (2020). Immediate and persisting effects of controversial media information on young people’s judgement of health issues. Europe’s Journal of Psychology, 16(2), 249–261. https://doi.org/10.5964/ejop.v16i2.1929

Traquina, N. (2010). [Recensão do livro Democracy and the news, de H. J. Gans]. Media & Jornalismo, 9(2), 255–257. http://fabricadesites.fcsh.unl.pt/polocicdigital/wp-content/uploads/sites/8/2017/04/17_3-recensao.pdf

Tschötschel, R., Schuck, A., & Wonneberger, A. (2020). Patterns of controversy and consensus in German, Canadian, and US online news on climate change. Global Environmental Change, 60, Artigo 101957.https://doi.org/10.1016/j.gloenvcha.2019.101957

Vaughan, E., & Timothy, T. (2009). Effective health risk communication about pandemic influenza for vulnerable populations. American Journal of Public Health, 99(S2), 324–332. https://doi.org/10.2105/AJPH.2009.162537

World Health Organization. (2020, 23 de dezembro). A year without precedent: WHO’s covid-19 response. https://www.who.int/news-room/spotlight/a-year-without-precedent-who-s-covid-19-response

Publicado

2021-12-20

Como Citar

Pinto, S., Oliveira, E., & Costa e Silva, E. (2021). A Controvérsia na Cobertura Mediática de Saúde: A Aplicação Stayaway Covid e as Fontes de Informação. Comunicação E Sociedade, 40, 109-128. https://doi.org/10.17231/comsoc.40(2021).3254