Jornalismo em Contexto de Crise Sanitária: Representações da Profissão e Expectativas dos Jornalistas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.17231/comsoc.39(2021).3178

Palavras-chave:

representações, expectativas, jornalismo, crise, economia dos média

Resumo

As dificuldades económicas das empresas mediáticas, as derrapagens ético-deontológicas, o progresso tecnológico e a globalização dos fluxos de informação têm sido encarados como os principais fatores da crise contemporânea do jornalismo. Com repercussões nas condições de trabalho e na imagem pública dos jornalistas, estas variáveis são, no entanto, apenas a face mais visível das ameaças a uma atividade que tem, segundo Nelson Traquina (2002), uma relação simbiótica com a democracia. Na extensão destas circunstâncias económicas, sociais e culturais estão também as expectativas dos próprios profissionais. Numa ocupação tantas vezes descrita como apaixonante, a situação profissional parece ser cada vez menos gratificante, não só pela diminuição das oportunidades de trabalho, com redações cada vez mais esvaziadas, mas também pela falta de perspetiva de progressão na carreira. Este é um dos resultados do “Estudo Sobre os Efeitos do Estado de Emergência no Jornalismo no Contexto da Pandemia Covid-19”, realizado entre maio e junho de 2020. Com um enfoque particular na leitura das expectativas dos jornalistas, neste artigo analisamos as representações simbólicas de uma profissão que fundou a sua legitimidade social numa ideia de serviço público. A partir de estudos acerca da profissão e das suas representações, procurámos encontrar respostas para compreender a razão pela qual a aceitação da precarização e o abandono da profissão podem ser entendidos, ainda assim, como lugares de resistência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Balzac, H. (1998). Les journalistes – Monographie de la presse parisienne. Éditions Arléa. (Trabalho original publicado em 1843)

Bastin, G. (2013). Paradox of the Pariah: Toward a Weberian understanding of modern journalism. Max Weber Studies, 13(2), 216–236. https://hal.archives-ouvertes.fr/halshs-00969557v1

Blanchot, F., & Padioleau, J.-G. (2003). Une économie politique du travail journalistique. Hermès, 1(35), 63–71. https://doi.org/10.4267/2042/9318

Broddason T. (1994). The sacred side of professional journalism. European Journal of Communication, 9(3), 227–248. https://doi.org/10.1177/0267323194009003001

Camponez, C. (2012). Deontologia do jornalismo. Almedina.

Crespo, M., Azevedo, J., Sousa, J. C., Cardoso, G., & Paisana, M. (2017). Jornalistas e condições laborais: Retrato de uma profissão em transformação. Observatório da Comunicação. http://hdl.handle.net/10071/15977

Delporte, C. (1999). Les journalistes en France (1880-1950) – Naissance et construction d’une profession. Seuil.

Deuze, M. (2007). Media work. Polity Press.

Deuze, M., & Witschge, T. (2020). Beyond journalism. Polity Press.

Evetts, J. (2014). The concept of professionalism: Professional work, professional practice and learning. In S. Billett, C. Harteis, & H. Gruber (Eds.), International handbook of research in professional and practice-based learning (pp. 29–56). Springer Netherlands.

Farrar, R. T. (1998). A creed for my profession: Walter Williams, journalist to the world. University of Missouri Press.

Ferenczi, T. (1996). L’invention du journalisme en France – Naissance de la presse moderne à la fin du XIXe siècle. Éditions Payot & Rivages.

Feyel, G. (2003). Aux origines de l’éthique des journalistes: Théophraste Renaudot et ses premiers discours éditoriaux (1631-1633). Le Temps des Médias, 1(1), 175–189. https://doi.org/10.3917/tdm.001.0175

Fidalgo, J. (2004). Jornalistas: Um perfil socioprofissional em mudança. Comunicação e Sociedade, 5, 63–74. https://doi.org/10.17231/comsoc.5(2004).1246

Freytag, G. (1988). Die Journalisten. Reclam. (Trabalho original publicado em 1852)

Garcia. J. L., Matos, J. N., & Silva, P. A. (2021). Jornalismo em estado de emergência: Uma análise dos efeitos da pandemia covid-19 nas relações de emprego dos jornalistas. Comunicação e Sociedade, 39, 269–285. https://doi.org/10.17231/comsoc.39(2021).3177

Garcia, J. L., & Meireles, S. (2017). O jornalismo sob a ameaça da tecno-mercantilização da informação. In J. N. Matos, C. Batista, & F. Subtil (Eds.), A crise do jornalismo (pp. 158–168). Deriva; Le Monde Diplomatique.

Groth, O. (2011). O poder cultural desconhecido - Fundamentos da ciência dos jornais. Vozes. (Trabalho original publicado em 1960)

Heaver, D. H., Beam, R. A., Brownlee, B. J., Voakes, P. S., & Wilhot, G. C. (2007). The American journalist in the 21st Century - U.S. news people at the dawn of a new millenium. Lawrence Erlbaum Associates.

Heaver, D. H., & Wilhot, G. C. (1996). The American journalist in the 1990s - U.S. news people at the end of an era. Lawrence Erlbaum Associates.

Jones C. (1980). Déontologie de l’information: Codes et conseils de presse - Étude comparative des règles de la morale pratique dans les métiers de l’information à travers le monde. UNESCO.

Macedo, J. A. (1821). O cordão da peste ou as medidas contra o contágio periodiqueiro. Oficina da Viúva de Lino da Silva Godinho.

Matos, N. (2020). “It was journalism that abandoned me”: An analysis of journalism in Portugal. tripleC: Communication, Capitalism & Critique - Journal for a Global, Sustainable Information Society, 18(2), 535–555. https://doi.org/10.31269/triplec.v18i2.1148

Meyer, P. (2007). Os jornais podem desaparecer? – Como salvar o jornalismo na era da informação (P. Cia, Trad.). Editora Contexto. (Trabalho original publicado em 2004)

Miranda, J. M. S. (2018). O papel dos jornalistas na regulação da informação. Caracterização socioprofissional, accountability e modelos de regulação em Portugal e na Europa. [Tese de doutoramento, Universidade de Coimbra]. Estudo Geral. https://estudogeral.sib.uc.pt/handle/10316/87571

Miranda, J., Fidalgo, J., & Martins, P. (2021). Jornalistas em tempo de pandemia: Novas rotinas profissionais, novos desafios éticos. Comunicação e Sociedade, 39, 287–307. https://doi.org/10.17231/comsoc.39(2021).3176

Oliveira, M. (2016). Metajornalismo: Do discurso normativo à autorreferencialidade como condição ética. Sur le Journalisme. About Journalism. Sobre o Jornalismo, 5(2), 32–43. http://hdl.handle.net/1822/44315

Pacheco, L., & Freitas, H. S. (2014). Poucas expectativas, algumas desistências e muitas incertezas. In J. Rebelo (Ed.), As novas gerações de jornalistas em Portugal (pp. 21–35). Editora Mundos Sociais.

Prodhomme, M. (2005). La place du discours sur l’éthique dans la construction de l’espace et de l’identité professionnel des journalistes. Presses Universitaires de la Faculté de Droit de Clermont-Ferrand.

Queiroz, E. (1900). A correspondência de Fradrique de Meneses - Memórias e notas. Livraria Chardron de Lello & Irmão Editores.

Rieffel, R. (1984). L’élite des journalistes. Presses Universitaires de France.

Rosen, J. (2000). Para além da objectividade. Revista de Comunicação e Linguagens, 27, 139–150.

Ruellan, D. (1997). Les “pro” du journalisme – De l’état au statut, la construction d’un espace professionnel. Presses Universitaires de Rennes.

Ruellan, D. (2004). Grupo profissional e mercado de trabalho do jornalismo. Comunicação e Sociedade, 5, 9–24. https://doi.org/10.17231/comsoc.5(2004).1242

Ruellan, D. (2011). Nous, journalistes - Déontologie et identité. Presses Universitaires de Grenoble.

Santos, M. V. M. (2017). Jornalista por vocação: Algumas considerações sobre a percepção de Max Weber a respeito da profissão. Mediações, 21(2), 425–447. http://doi.org/10.5433/2176-6665.2017v22n2p425

Santos-Sainz, M. (2006). L’élite journalistique et son pouvoir. Éditions Apogée.

Singer, J. (2014). Sem medo do future: Ética do jornalismo, inovação e um apelo à flexibilidade. Comunicação e Sociedade, 25, 49–66. https://doi.org/10.17231/comsoc.25(2014).1858

Sobreira, R. M. (2003). Os jornalistas portugueses, 1933-1974: Uma profissão em construção. Livros Horizonte.

Sousa, J. P. (2011). A discussão sobre a introdução do ensino superior do jornalismo em Portugal: Das primeiras menções ao primeiro curso de graduação. Biblioteca on-line de Ciências da Comunicação. http://www.bocc.ubi.pt/pag/sousa-jorge-a-discussao-sobre-a-introducao-do-ensino-superior-do-jornalismo-em-portugal.pdf

Traquina, N. (2002). Jornalismo. Quimera.

Tunstall, J. (1971). Journalists at work. Specialists correspondents: Their news organizations, news sources, and competitor-colleagues. Constable.

Weber, M. (1982). Ensaios de sociologia (W. Dutra, Trad.). LTC – Livros Técnicos e Científicos Editora. (Trabalho original publicado em 1946)

Willnat, L., & Weaver, D. H. (2012). The global journalist in the 21st century. Routledge.

Willnat, L., & Weaver, D. H. (2014). The American journalist in the digital age: Key Findings. School of Journalism, Indiana University.

Woodrow, A. (1996). Informação, manipulação (J. M. Barata-Feyo, Trad.). Publicações Dom Quixote. (Trabalho original publicado em 1991)

Publicado

2021-06-30

Como Citar

Camponez, C., & Oliveira, M. (2021). Jornalismo em Contexto de Crise Sanitária: Representações da Profissão e Expectativas dos Jornalistas. Comunicação E Sociedade, 39, 251-267. https://doi.org/10.17231/comsoc.39(2021).3178

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>