Discursos migrantes: estratégias de construção de nós e os outros em discursos jornalísticos de opinião

Autores

DOI:

https://doi.org/10.17231/comsoc.38(2020).2594

Palavras-chave:

migrantes, refugiados, média, dêixis, referenciação

Resumo

O presente estudo analisa o tratamento mediático do fluxo migratório em direção à Europa num período de intensa visibilidade da questão na imprensa nacional (setembro e outubro de 2015), num corpus de textos de opinião e títulos de outros textos jornalísticos de três publicações generalistas de referência no âmbito nacional. Recorre aos fundamentos teóricos e aos instrumentos metodológicos da análise do(s) discurso(s), tomada em sentido amplo (Adam, 2011; Berthoud & Mondada, 1995; Charaudeau, 1997, Moirand 1999, 2006; Rabatel & Chauvin-Vileno 2006, nomeadamente), para descrever e analisar a construção discursiva das imagens dos migrantes em contraste com as dos europeus, com saliência para a dêixis pessoal, as escolhas lexicais e os processos de modalização, marcados nos discursos. Conclui que o discurso dos média foi fundamental para a construção discursiva do acontecimento social protagonizado pela chegada massiva de refugiados e migrantes à Europa. Essa construção articula-se em torno de dois grupos, nós e eles. Na atividade de referenciação levada a cabo, ocorre um processo de categorização e recategorização que aponta para a construção de um grupo homogéneo, eles, os outros, em torno de diferentes designações, mas maioritariamente em torno da designação “refugiado”. Em contraste com tal homogeneidade, o grupo constituído por nós, os europeus, está fraturado por dissensos em torno de valores, frequentemente marcados em estruturas paralelísticas opositivas. Os modos de referenciação, que convocam o conhecimento partilhado sobre a guerra, e a modalidade avaliativa enquadram o posicionamento dos locutores-enunciadores envolvidos na construção da opinião pública e conferem aos discursos uma vertente emocional forte.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Abdo, C., Cabecinhas, R. & Brites, M. J. (2019). Crise migratória na Europa: os media e a construção da imagem dos refugiados. In Z. Pinto-Coelho; S. Marinho & T. Ruão (Eds.), Comunidades, participação e regulação. VI Jornadas Doutorais, Comunicação & Estudos Culturais (pp. 71-83). Braga: CECS.

Adam, J.-M. (2011). La linguistique textuelle. Introduction à l’analyse textuelle des discours. Paris: A. Colin.

Almeida, D. (2017). A situação dos refugiados e os direitos humanos. Representações na imprensa portuguesa: o caso dos jornais Diário de Notícias e Público. Dissertação de Mestrado, Universidade dos Açores, Ponta Delgada, Portugal.

Bakhtine, M. (1984). Les genres du discours. In M. Bakhtine, Esthétique de la Création Verbale (pp. 263-308). Paris: Gallimard.

Barbosa, M. (2012). Nós e eles: responsabilidade social dos media na construção de uma cidadania inclusiva. Comunicação e Sociedade, 21, 231-240. https://doi.org/10.17231/comsoc.21(2012).711

Benveniste, E. (1970). L’appareil formel de l’énonciation. Langages, 17, 12-18.

Berthoud, A.-C. & Mondada, L. (1995). Traitement du topic, processus énonciatifs et séquences conversationnelles. Cahiers de Linguistique Française, 17, 205-228.

Cádima, R. & Figueiredo, A (2003). Representações (imagens) dos imigrantes e das minorias étnicas nos media. Lisboa: Alto-Comissariado para a Imigração e Minorias Étnicas.

Cardoso, R. (2015, 12 de setembro). Entre os fantasmas e os valores da Europa. Expresso, p. 29.

Carvalho, M. (2007). A construção da imagem dos imigrantes e das minorias étnicas pela imprensa portuguesa. Uma análise comparativa de dois jornais diários. Dissertação de Mestrado, ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa, Lisboa, Portugal.

Cavalcante, M. (2012). Os sentidos do texto. São Paulo: Contexto.

Cavalcante, M., Biasi-Rodrigues, B. & Ciulla e Silva, A. (Eds.) (2003). Referenciação. São Paulo: Contexto.

Charaudeau, P. (1997). Le discours d’information médiatique. La construction du miroir social. Paris: Nathan.

Costa, A. (2010). A criação da categoria imigrantes em Portugal na revista Visão: jornalistas entre estereótipos e audiências. Lisboa: Alto-Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural.

Ferin, I. & Santos, C. (2008). Media, imigração e minorias étnicas – 2005-2006. Lisboa: Alto-Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural.

Galante, S. (2010). As representações dos imigrantes e minorias étnicas no jornalismo português: análise comparativa entre o Diário de Notícias e o Público. Dissertação de Mestrado, Universidade da Beira Interior, Covilhã, Portugal.

Kerbrat-Orecchioni, C. (1980). L’énonciation. De la subjectivité dans le langage. Paris: Armand Colin.

Koch, I. & Cortez, S. (2015). A construção heterodialógica dos objetos de discurso por formas nominais referenciais. ReVEL, 25(13), 29-49.

Macedo, I. & Cabecinhas, R. (2012). Representações sociais, migrações e media: reflexões em torno do papel da literacia cinematográfica na promoção da interculturalidade. In Z. Pinto-Coelho & J. Fidalgo (Eds.), Sobre Comunicação e Cultura: I Jornadas de Doutorandos em Ciências da Comunicação e Estudos Culturais (pp. 179-193). Braga: CECS.

Marcuschi, L. A. (2006). Referenciação e progressão tópica: aspectos cognitivos e textuais. Cad.Est.Ling, 48(1), 7-22.

Marques, M. A. (2013). Construir a responsabilidade enunciativa no discurso jornalístico. REDIS: Revista de Estudos do Discurso, 2, 139-165.

Marques, M. A. (2018). Enunciação e referenciação. Os discursos de celebração de Abril. REDIS, 7, 122-143.

Moirand, S. (1999). Les indices dialogiques de contextualisation dans la presse ordinaire. Cahiers de praxématique, 33, 145-184.

Moirand, S. (2006). Responsabilité et énonciation dans la presse quotidienne: questionnements sur les observables et les catégories d’analyse. Semen, 22. https://doi.org/10.4000/semen.2798

Moirand, S. (2016). De l’inégalité objectivisée à l’inégalité ressentie et aux peurs qu’elle suscite: les réfugiés pris au piège de l’identité. Revista de Estudos da Linguagem, 26(3), 1015-1046.

Moirand, S. & Reboul-Touré, S. (2015). Nommer les événements à l’épreuve des mots et de la construction du discours. Langue française, 188, 105-120.

Mondada, L. & Dubois, D. (1995). Construction des objets de discours et catégorisation: une approche des processus de référenciation. Tranel - Travaux Neuchâtelois de Linguistique, 23, 273-302.

Mondada, L. (2001). Gestion du topic et organisation de la conversation. Cad.Est.Ling., 41, 7-35.

Monte, M. (2011). Modalités et modalisation: peut-on sortir des embarras typologiques? Modèles Linguistiques, 64, 85-101.

Nash, M. (2005) La doble alteridad en la comunidad imaginada de las mujeres inmigrantes. In M. Nash; M. Benach & R. Robira (Eds.), Inmigración, género y espacios urbanos. Los retos de la diversidad (pp. 17-31). Barcelona: Edicions Bellaterra.

Nolasco, C. (2015, 21 de setembro). À espera dos bárbaros. Público, p. 47.

Oliveira, F. (2011). Os movimentos migratórios e os discursos dos media. Anuário Internacional de Comunicação Lusófona, 9, 331-350.

Rabatel, A. & Chauvin-Vileno, A. (2006). La question de la responsabilité dans l’écriture de presse. Sémen 22. Retirado de https://journals.openedition.org/semen/2792

Santos, C. (2007) Imagens de mulheres imigrantes na imprensa portuguesa. Análise do ano 2003. Lisboa: Alto-Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural.

Santos, N. (2016). As representações sociais acerca do acolhimento de refugiados em Portugal: estudo de caso dos comentários às notícias sobre chegada de refugiados a Portugal nas redes sociais e nos media portugueses. Dissertação de Mestrado, Universidade Aberta, Lisboa, Portugal.

Silva, J. (2017). A imigração e a mídia. Entre a utopia da invisibilidade social e os direitos humanos universais. Revista de Estudos Internacionais, 8(3), 22-34.

Silvestre, F. (2011). Um olhar sobre a imprensa: representações sobre os refugiados e requerentes de asilo em Portugal. Dissertação de Mestrado, Universidade Nova de Lisboa, Lisboa, Portugal.

Togni, P. (2008). Os fluxos matrimoniais transnacionais entre brasileiras e portugueses: género e imigração. Dissertação de Mestrado, ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa, Lisboa, Portugal.

van Dijk, T. (2005). Nuevo racismo y noticias. Un enfoque discursivo. In M. Nash; R. Tello & N. Benach (Eds.), Inmigración, género y espacios urbanos. Los retos de la diversidad (pp. 33-55). Barcelona: Edicions Bellaterra.

Vion, R. (2004). Modalités, modalisations et discours représentés. Langages, 156, 96-110.

Publicado

2020-12-23

Como Citar

Marques, M. A., & Ramos, R. (2020). Discursos migrantes: estratégias de construção de nós e os outros em discursos jornalísticos de opinião. Comunicação E Sociedade, 38, 17-39. https://doi.org/10.17231/comsoc.38(2020).2594