Os refugiados em manifestos políticos presidenciais: entre silenciar e dar voz

Autores

  • Alexandra Guedes Pinto Departamento de Estudos Portugueses e Estudos Românicos, Faculdade de Letras, Universidade do Porto, Portugal http://orcid.org/0000-0001-9120-1542

DOI:

https://doi.org/10.17231/comsoc.38(2020).2603

Palavras-chave:

crise dos refugiados, manifestos políticos, género de texto, construção do ethos, estratégias discursivas e políticas

Resumo

A crise dos migrantes e refugiados na Europa do século XXI originou novas divergências no velho continente que colocam desafios difíceis à construção da identidade europeia. Classificada já como a maior crise migratória e humanitária do pós-guerra, a realidade dos migrantes e refugiados revelou uma Europa incapaz de responder ao problema com uma solução conjunta. Para além do aspeto humanitário, muitas vezes de contornos dramáticos explorados pelos média, o fenómeno é também motivo de fricções entre as instituições e os Estados-membro da União Europeia, ameaçando tornar-se o gatilho de uma crise política e de um novo equilíbrio de forças entre os Estados. Dada a centralidade que ganhou, a crise dos refugiados pode também ser perspetivada do ponto de vista do aproveitamento político por parte de diferentes fações, que dela extraem dividendos importantes para a sua própria territorialização. Discursos europeístas, de tolerância e aceitação, baseados nos ideais solidários do projeto europeu, coexistem com discursos extremistas, de tendência xenófoba e anti-integração. Na presente reflexão, analisamos a forma como o discurso político eleitoralista, do género textual manifesto político, codifica argumentativamente a questão dos refugiados, focalizando, para esse efeito, quatro dos manifestos eleitorais dos candidatos às eleições presidenciais portuguesas de 2016. A partir da caracterização do género seguindo a proposta de Adam (2001, pp. 40-41) das componentes semântica, composicional/estrutural, enunciativa, pragmática, estilística e fraseológica, metatextual, peritextual e material, confirmamos que existe, simultaneamente, unidade e diversidade nos exemplares analisados. Por um lado, uma unidade que permite reconhecer nos diferentes textos manifestações de um mesmo género; por outro lado, uma diversidade que traduz/produz efeitos na construção do ethos e nas estratégias discursivas e políticas de cada candidato. O tratamento da crise dos refugiados é justamente um dos temas cujo tratamento diverge substancialmente de manifesto para manifesto, revelando estratégias discursivas e políticas específicas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Adam, J. M. (2001). En finir avec les types de textes. In M. Ballabriga (Ed.), Analyse des discours. Types et genres: communication et interprétation (pp. 25-43). Toulouse: EUS.

Adam, J. M. (2008). A Linguística textual: uma introdução à análise textual dos discursos. São Paulo: Contexto.

Benveniste, É. (1966). De la subjectivité dans le langage. In Problèmes de linguistique générale I (pp. 258-266). Paris: Gallimard.

Campos, M. H. C & Xavier, M. F. (1991). Sintaxe e semântica do Português (pp. 361-379). Lisboa: Universidade Aberta. Retirado de https://area.dge.mec.pt/gramatica/umfimtriste/valoresmodais10.html#topo

Campos, M. H. C. (2004). A modalidade apreciativa: uma questão teórica. In F. Oliveira & I. M. Duarte (Eds.), Da língua e do discurso (pp. 265-281). Porto: Campo das Letras.

EsquerdaNet. (2015). Marisa Matias | Apresentação da candidatura à Presidência da República 2016. Retirado de https://www.youtube.com/watch?v=idiwx4L3xsk&index=40&list=PLYha99yG0g27Hnez8eQ6rt3Uef8ieIEgg

Giddens, A. (1991). Modernity and self-identity: self and society in the late modern age. Cambridge: Polity.

Kerbrat-Orecchioni, C. (1980). L’énonciation de la subjectivité dans le langage. Paris: Armand Colin.

Maingueneau, D. (2005). Ethos, cenografia, incorporação. In R. Amossy (Ed.), Imagens de si no discurso: a construção do ethos (pp. 69-92). São Paulo: Contexto.

Maingueneau, D. (2008). A propósito do ethos. In A. R. Motta & L. S. Salgado (Eds.), Ethos discursivo (pp. 11-29). São Paulo: Contexto.

Oliveira, F. (2003). Modalidade e modo. In M. H. M. Mateus; A. M. Brito; I. Duarte & I. H. Faria (Eds.), Gramática da Língua Portuguesa (pp. 245-247). Lisboa: Caminho.

Oliveira, F. & Mendes, A. (2013). Modalidade. In E. P. Raposo; M. F. B. Nascimento; M. A. Mota; L. Segura & A. Mendes (Eds.), Gramática do Português (vol. I.) (pp. 623-669). Lisboa: Edição Fundação Calouste Gulbenkian.

Pinto, A. (2012). Dialogismo, polifonia e heterogeneidade enunciativa nos manifestos políticos das presidenciais de 2011. Estudos Linguísticos/Linguistic Studies, 8, 195-212. Retirado de https://clunl.fcsh.unl.pt/wp-content/uploads/sites/12/2018/02/195_212.pdf

Pinto, A. G., Pinho, A. C. & Teixeira, J. (2017). Polarização e construção da força discursiva em manifestos políticos: o caso das presidenciais portuguesas de 2016. Linha D’Água, 30(1), 35-68. Retirado de http://www.revistas.usp.br/linhadagua/article/view/133203

Searle, J. (1969). Speech acts. An essay in the philosophy of language. Cambridge: Cambridge University Press.

Trčková, D. (2014). Representations of natural catastrophes in newspaper discourse. Brno: Masarykova univerzita. Retirado de https://digilib.phil.muni.cz/handle/11222.digilib/133015

Wodak, R. (2001). The discourse historical approach. In R. Wodak & M. Meyer (Eds.), Methods of critical discourse analysis (pp. 63-94). Londres: Sage.

Publicado

2020-12-23

Como Citar

Pinto, A. G. (2020). Os refugiados em manifestos políticos presidenciais: entre silenciar e dar voz. Comunicação E Sociedade, 38, 41-57. https://doi.org/10.17231/comsoc.38(2020).2603