Obstáculos à comunicação da ciência: o caso dos organismos geneticamente modificados

Autores

  • Rui Oliveira Departamento de Biologia, Universidade do Minho

DOI:

https://doi.org/10.17231/comsoc.6(2004).1239

Palavras-chave:

Comunicação da ciência, organismos geneticamente modificados, jornalismo

Resumo

Neste texto é abordado o tema dos organismos geneticamente modificados como exemplo das dificuldades de comunicação da ciência. Começa-se por reflectir sobre a atitude contraditória do público em relação à biotecnologia: apesar da aprovação destas tecnologias, há alguma relutância em aceitar a sua aplicação. De seguida, discutem-se alguns aspectos que tornam difícil a comunicação da ciência: a complexidade da informação, a sua quantidade e a chamada ‘mitificação do DNA’. Da complexidade e quantidade, resulta um conflito entre as linguagens jornalística e científica, dada a necessidade de explicações rápidas e simplificadas da comunicação social e o rigor da linguagem científica aplicado pela comunidade científica. Para um melhor debate público das questões científicas, é apontada a responsabilidade da comunidade científica que poderá desenvolver uma atitude mais didáctica relativamente a públicos não especializados. O papel da comunicação social também é salientado, através do contributo que jornalistas especializados poderão dar para ultrapassar os problemas presentes na comunicação pública da ciência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2004-12-21

Como Citar

Oliveira, R. (2004). Obstáculos à comunicação da ciência: o caso dos organismos geneticamente modificados. Comunicação E Sociedade, 6, 267-272. https://doi.org/10.17231/comsoc.6(2004).1239

Edição

Secção

Reflexões