Quando o emissor é a mensagem: a comunicação de Marcelo Rebelo de Sousa nos incêndios de 2017

Autores

DOI:

https://doi.org/10.17231/comsoc.0(2020).2741

Palavras-chave:

comunicação de crise, relações públicas, assessoria de imprensa, TSCC, incêndios em Portugal

Resumo

Este artigo tem como tema a comunicação oficial de crise da Presidência da República Portuguesa (PRP) durante os incêndios florestais que aconteceram nos meses de junho e de outubro de 2017, conhecidos, respetivamente, como “tragédia de Pedrógão Grande” e “incêndios de outubro”. Os incêndios de 2017 foram os mais nefastos da história de Portugal e receberam uma grande cobertura dos média internacionais. Naquele ano, Portugal foi o país que mais sofreu com os fogos, de acordo com o relatório da União Europeia (2018), tendo sido responsável por, aproximadamente, 90% das mortes causadas por incêndios. O principal fundamento teórico do estudo é a teoria situacional de comunicação de crise (TSCC) (Coombs, 2007). Na TSCC, Coombs (2007) identificou as variáveis envolvidas numa crise e apresentou as estratégias de resposta mais adequadas a serem aplicadas a cada tipo de crise. Por meio do método da análise do discurso, descrevemos e comparamos a comunicação da Presidência da República Portuguesa na gestão dessas duas crises de origens semelhantes (incêndios florestais) separadas por apenas quatro meses (junho e outubro de 2017). A nossa intenção é contribuir para a compreensão das estratégias de resposta propostas por Coombs (2007) quando aplicadas a uma comunicação exclusivamente baseada no modelo de informação pública (Grunig & Hunt, 1984). A investigação concluiu que a PRP optou pela estratégia de gestão do significado (Coombs, 2015) com informações de ajuste e predominância das respostas reparativas primárias da categoria “reconstrução” e subcategoria “compensação”, produzindo a resposta adequada segundo a TSCC (Coombs, 2007). No entanto, observamos que a comunicação de crise da PRP para os incêndios de 2017 é um caso em que as características pessoais do emissor e as variáveis – responsabilidade pela crise, histórico da crise e reputação relacional anterior – foram mais relevantes para a comunicação de crise do que as mensagens propriamente ditas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Adkins, G. (2010). Organizational networks in disasters response: an examination of the US Government network’s efforts in hurricane Katrina. In W. T. Coombs & S. J. Holladay (Eds.), The handbook of crisis communication (pp. 93-114). Hoboken, NJ: Wiley-Blackwell.

Bial, P. (2019, 06 de maio). Entrevista com o Presidente Marcelo Rebelo de Sousa. Gshow. Retirado de https://gshow.globo.com/programas/conversa-com-bial/noticia/presidente-de-portugal-comenta-imigracao-em-massa-de-brasileiros-descobriram-que-nao-e-so-o-manuel-nao-e-so-o-padeiro.ghtml

Bowen, S. A. (2012). Ethics in government public relations. In M. Lee; G. Neeley & K. Stewart (Eds.), The practice of government public relations (pp.189-205). Boca Ratón, FL: CRCPress/ Taylor & Francis Group.

Caetano, J., Vasconcelos, M. & Vasconcelos, P. (2006). Gestão de crise. Lisboa: Editorial Presença.

Canel, M. J. (2010). Comunicación de las instituciones públicas. Madrid: Editorial Tecnos.

Canel, M. J. (2018). La comunicación de la admnistración pública: para gobernar con la sociedad. Cidade do México: FCE.

Coombs, T. W. (2007). Protecting organization reputations during a crisis: the development and application of situational crisis communication theory. Corporate Reputation Review, 10(3), 163-176.

Coombs, W. T. (2010). Parameters for crisis communication. In W. T. Coombs & S. J. Holladay (Eds.), The handbook of crisis communication (pp.17-53). Hoboken, NJ: Wiley-Blackwell.

Coombs, W. T. (2015). The value of communication during a crisis: insights from strategic communication research. Business Horizons, 58(2), 141-148. https://doi.org/10.1016/j.bushor.2014.10.003

Couto, S.S. (2019). O presidente-celebridade. Tese de Doutoramento, Universidade do Porto, Porto, Portugal. Retirado de https://hdll.handle.net/10216/119125

Daymon, C. & Holloway, I. (2011). Discourse analysis and critical discourse analysis. In C. Daymon & I. Holloway (Eds.), Qualitative research methods in public relations and marketing communications (pp.178-192). Abingdon: Routledge.

Duarte, J. (2011). Sobre a emergência do(s) conceito(s) de comunicação pública. In M. M. K. Kunsh (Ed.), Comunicação pública, sociedade e cidadania (pp. 1-11). São Caetano do Sul, SP: Difusão.

Faria, L. M. (2017, 27 de outubro). Os incêndios, a “culpa funcional” do Estado, as indemnizações e a opinião do professor Marcelo. Expresso. Retirado de http://expresso.sapo.pt/dossies/diario/2017-10-27-Os-incendios-a-culpa-funcional-do-Estado-as-indemnizacoes-e-a-opiniao-do-professor-Marcelo#gs.BkaXLP8

Grunig, J. & Hunt, T. (1984). Managing public relations. Nova Iorque: CBS College Publishing.

Grunig, J.E. & Jaatinen, M. (1999). Strategic, symmetrical public relations in government: from pluralism to societal corporatism. Journal of Communication Management, 3(3), 218-234. https://doi.org/10.1108/eb026049

Grunig, L. A., Grunig, J. E., Dozier & D. M. (2002). Excellent public relations and effective organizations: a study of communication management in three countries. Nova Iorque: Routledge.

Heath, R. L. & Millar, D. P. (2004). A rhetorical approach to crisis communication: management, communication processes, and strategic reponses. In D. P. Millar & R. L. Heath (Eds.), Responding to crisis: a rhetorical approach to crisis communication (pp. 1-17). Mahwah/Londres: Lawrence Erlbaum Associates.

ICNF, Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas. (2017). 10º relatório provisório de incêndios florestais 2017. Retirado de http://www2.icnf.pt/portal/florestas/dfci/Resource/doc/rel/2017/10-rel-prov-1jan-31out-2017.pdf

ICNF, Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas. (2019). Plano nacional de sensibilização DFCI 2019. Retirado de http://www2.icnf.pt/portal/florestas/dfci/planos/resource/doc/pns/SensibilizacaoICNF-2019.pdf

Imprensa de todo o mundo com os olhos em Portugal devido aos incêndios (2017, 18 de junho). Diário de Notícias. Retirado de https://www.dn.pt/media/imprensa-de-todo-mundo-com-olhos-em-portugal-devido-aos-incendios-8571037.html

Incêndios de Outubro fizeram 49 mortos e atingiram 1.500 casas (2018, 13 de abril). Sábado. Retirado de

https://www.sabado.pt/portugal/detalhe/incendios-de-outubro-fizeram-49-mortos-e-atingiram-1500-casas

Incêndios: Oliveira do Hospital homenageia vítimas mortais com memorial “15 de outubro” (2017, 31 de outubro). Diário de Notícias. Retirado de https://www.dn.pt/lusa/incendios-oliveira-do-hospital-homenageia-vitimas-mortais-com-memorial-15-de-outubro-8885611.html

Lampreia, J. M. (2007). Da gestão de crise ao marketing de crise. Lisboa: Texto Editores.

Lee, M. (2012). Government public relations: what is it good for? In M. Lee; G. Neeley & K. Stewart (Eds.), The practice of government public relations (pp. 9-25). Boca Ratón, FL: CRCPress/ Taylor & Francis Group.

L’Etang, J. (2009). Public relations: concepts, practice and critique. Londres: Sage Publications Ltd.

Lopes, F. & Botelho, L. (2019). Marcelo: presidente todos os dias. Porto: Porto Editora.

Lopes, F. & Espírito Santo, P. (2019). Quando um Presidente da República vive no limite do semipresidencialismo: retratos que a imprensa diária esboçou na primeira metade do mandato de Marcelo Rebelo de Sousa. Revista Estudos em Comunicação, 28(1), 237-258. https://doi.org/10.25768/fal.ec.n28.a13

Perfil: Marcelo Rebelo de Sousa, o comentador que chegou a Belém (2016, 06 de março). Sapo 24. Retirado

de https://24.sapo.pt/atualidade/artigos/perfil-marcelo-rebelo-de-sousa-o-comentador-que-chegou-a-belem

Ribeiro, V. (2014). O campo e o triângulo operacional da assessoria de imprensa. In G. Gonçalves & M. Guimarães (Eds.). Fronteiras e fundamentos conceptuais das relações públicas (pp. 65-87). Covilhã: Livros LabCom.

Sebastião, C. (2018). Marcelo Rebelo de Sousa, Presidente dos afetos. Apelação: Paulus.

Sommerfeldt, E. J. (2013). The civility of social capital: public relations in the public sphere, civil society, and democracy. Public Relations Review, 39 (4), 280-289. https://doi.org/10.1016/j.pubrev.2012.12.004

Toniolo, B. (2019). Apagar incêndios: a comunicação de crise da Presidência da República Portuguesa durante os incêndios de 2017. Dissertação de Mestrado, Universidade da Beira Interior, Covilhã, Portugal. Retirado de http://hdl.handle.net/10400.6/10094

União Europeia. (2018). Forest fires in Europe, iddle East and North Africa 2017. Ispra: JRC Science Hub. https://doi.org/10.2760/663443

Valentini, C. (2013). Public relations in the public sector: the role of strategic communication in the italian public administration. Sinergi Rivista di Studi e Richerche, 92, 93-113. https://doi.org/10.7433/s92.2013.06

##submission.downloads##

Publicado

2020-07-30

Como Citar

Toniolo, B. P., & Gonçalves, G. (2020). Quando o emissor é a mensagem: a comunicação de Marcelo Rebelo de Sousa nos incêndios de 2017. Comunicação E Sociedade, 69-88. https://doi.org/10.17231/comsoc.0(2020).2741