“Breque dos Apps”: Uma Análise Temporal de Comunidades e Influenciadores no Debate Público Online no Twitter

Autores

DOI:

https://doi.org/10.17231/comsoc.39(2021).2855

Palavras-chave:

identidade coletiva, ação coletiva, plataformas de redes sociais, Twitter, Breque dos Apps

Resumo

O objetivo deste artigo é examinar a dinâmica do debate nas plataformas de redes sociais sob a perspectiva da identidade e da ação coletiva. Mais especificamente, buscamos identificar quem foram os atores centrais no Twitter em torno do debate sobre duas paralisações de entregadores de aplicativo contra o regime e as condições de trabalho durante o período da pandemia (UberEats, iFood, Rappi, etc.) ocorridas a 1 e 25 de julho de 2020 no Brasil. Examinamos, além disso, se os perfis mais influentes protagonizaram a formação de comunidades em torno de sua interpretação sobre esse tema. Para isso, coletamos um total de 535.178 tweets publicados em dois episódios de manifestações dos trabalhadores, ocorridos entre junho e julho de 2020. A partir da análise temporal de clusters, identificamos o momento de entrada de cada comunidade no debate sobre o tema e discutimos como perfis de influenciadores, movimentos sociais, políticos e celebridades desempenharam funções centrais na mobilização de apoiadores e no engajamento público ligado às manifestações nas redes. Os resultados mostram que a mobilização social em ambientes digitais ocorre a partir de interações entre grupos com grande envolvimento com as causas defendidas e perfis de atuação mais efêmeros, cuja participação é fundamental para a promoção e divulgação dos atos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Abílio, L. C., Almeida, P. F., Amorim, H., Cardoso, A. C. M., Fonseca, V. P., Kalil, R. B., & Machado, S. (2020). Condições de trabalho de entregadores via plataforma digital durante a covid-19. Revista Jurídica Trabalho e Desenvolvimento Humano,3, 1–21. https://doi.org/10.33239/rjtdh.v.74

Bennett, L. W., & Segerberg, A. (2012). The logic of connective action: Digital media and the personalization of contentious politics. Information, Communication & Society, 15(5), 739–768. https://doi.org/10.1080/1369118X.2012.670661

Blondel, V. D., Guillaume, J.-L., Lambiotte, R., & Lefebvre, E. (2008). Fast unfolding of communities in large networks. Journal of Statistical Mechanics: Theory and Experiment, 1–12. https://doi.org/10.1088/1742-5468/2008/10/P10008

Bucher, T., & Helmond, A. (2017). The affordances of social media platforms. In J. Burgess, A. Marwick & T. Poell (Eds.), The Sage handbook of social media (pp. 233–253). Sage Publications.

Earl, J., & Kimport, K. (2011). Digitally enabled social change: Activism in the internet age. Mit Press.

Ellison, N., Lampe, C., Steinfield, C., & Vitak, J. (2010). With a little help from my friends: How social network sites affect social capital processes. In Z. Papacharissi (Ed.), A networked self: Identity, community and culture on social networking sites (pp. 124–145). Routledge.

Filgueiras, V., & Antunes, R. (2020). Plataformas digitais, uberização do trabalho e regulação no capitalismo contemporâneo. Revista Contracampo, 39(1), 27–43. https://doi.org/10.22409/contracampo.v39i1.38901

Gerbaudo, P. (2012). Tweets and the streets social media and contemporary activism. Pluto Press. http://doi.org/10.2307/j.ctt183pdzs

Grohmann, R. N., & Qiu, J. (2020). Contextualizando o trabalho em plataformas. Revista Contracampo, 39(1), 1–10. https://doi.org/10.22409/contracampo.v39i1.42260

Lipsky, M. (1968). Protest as a political resource. American Political Science Review, 62(4), 1144–1158. https://doi.org/10.2307/1953909

Lowrance, S. (2016). Was the revolution tweeted? Social media and the Jasmine revolution in Tunisia. Digest of Middle East Studies, 25(1), 155–176. https://doi.org/10.1111/dome.12076.

Martino, L. M. S. (2015). Teoria das mídias digitais: Linguagens, ambientes e redes (2.ª ed.). Vozes.

Milan, S. (2015). From social movements to cloud protesting: The evolution of collective identity. Information, Communication & Society, 18(8), 887–900. https://doi.org/10.1080/1369118X.2015.1043135

Peres, A. C. (2020, 6 de agosto). Olha o Breque! Movimento de entregadores expõe precariedade das relações de trabalho nas plataformas digitais. Radis 215. https://radis.ensp.fiocruz.br/index.php/home/reportagem/olha-o-breque

Recuero, R. (2017). Introdução à análise de redes sociais online. EDUFBA.

Rogers, R. (2017). Foundations of digital methods: Query design. In M. T. Schäfer & K. van Es (Eds.), The datafied society: Studying culture through data (pp. 75–94). Amsterdam University Press. https://doi.org/10.25969/mediarep/12536

Ruediger, M. A., Martins, R., da Luz, M., & Grassi, A. (2014). Ação coletiva e polarização na sociedade em rede para uma teoria do conflito no Brasil contemporâneo. Revista Brasileira de Sociologia, 2(4), 205–234. https:// doi.org/10.20336/rbs.83

Sena, V. (2020, 23 de julho). Ibope aponta que entregadores de apps não querem carteira assinada. Exame. https://exame.com/negocios/pesquisa-indica-que-entregadores-nao-querem-carteira-assinada-sera/

Tarrow, S. (2011). Power in movement: Social movements and contentious politics (3.ª ed.). Cambridge University Press.

Vergeer, M., Hermans, L., & Sams, S. (2011). Online social networks and micro-blogging in political campaigning: The exploration of a new campaign tool and a new campaign style. Party politics, 19(3), 477–501. https://doi.org/10.1177/1354068811407580

Zappavigna, M. (2015). Searchable talk: The linguistic functions of hashtags. Social Semiotics, 25(3), 274–291. https://doi.org/10.1080/10350330.2014.996948

Publicado

2021-06-30

Como Citar

Piaia, V., Matos, E., Almeida, S., Dienstbach, D., & Barboza, P. (2021). “Breque dos Apps”: Uma Análise Temporal de Comunidades e Influenciadores no Debate Público Online no Twitter. Comunicação E Sociedade, 39, 57-81. https://doi.org/10.17231/comsoc.39(2021).2855