Alteridade e identidade em Tabu de Miguel Gomes

Autores

  • Ana Cristina Pereira Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade, Universidade do Minho, Portugal

DOI:

https://doi.org/10.17231/comsoc.29(2016).2422

Palavras-chave:

Filme Tabu, representações “raciais”, alteridade, identidade, semiótica multimodal

Resumo

A identidade nacional portuguesa foi construída, ao longo do tempo, por vários meios e no cinema também, em relação com a identidade de um “outro” africano, próximo e distante, herdeiro e desafiador, objeto de sedução e de repulsa. Estas dualidades estão patentes no filme Tabu (2012), de Miguel Gomes, que reifica e questiona representações. Filme pós-colonial, no sentido em que reflete sobre a forma como estereótipos e representações sociais e “raciais” criados durante o colonialismo se repercutem na sociedade portuguesa de hoje, oferece um olhar crítico sobre uma certa elite portuguesa em África e sobre a forma como esse mesmo grupo viveu o período da Guerra pela Independência, confrontando esse momento da história portuguesa com o tempo atual.
Analisa-se o discurso fílmico do autor, através de uma abordagem semiótica multimodal do filme: uma análise de Tabu tendo em conta os processos de categorização, quer por exclusão, quer por inclusão. Apresenta-se uma leitura dialógica de recursos semiológicos como ritmo, composição, conexões informais e diálogos, sendo que a finalidade desta análise multimodal é perceber a representação do “outro” africano no filme e a forma como a identidade portuguesa se constrói na relação com essa alteridade africana.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia Autor

Ana Cristina Pereira, Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade, Universidade do Minho, Portugal

CECS - Universidade do Minho

Downloads

Publicado

2016-06-27

Como Citar

Pereira, A. C. (2016). Alteridade e identidade em Tabu de Miguel Gomes. Comunicação E Sociedade, 29, 311–330. https://doi.org/10.17231/comsoc.29(2016).2422