Estar presente na ausência: a construção semiótica da imigração brasileira recente em Portugal nos média brasileiros

Autores

  • Patricia Posch Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade, Instituto de Ciências Sociais, Universidade do Minho, Portugal https://orcid.org/0000-0003-1839-3511
  • Rosa Cabecinhas Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade, Instituto de Ciências Sociais, Universidade do Minho, Portugal https://orcid.org/0000-0002-1491-3420

DOI:

https://doi.org/10.17231/comsoc.38(2020).2592

Palavras-chave:

discurso mediático, migrações, semiótica social, interseccionalidade, Portugal pelos Brasileiros

Resumo

Nos últimos anos, o deslocamento de brasileiros para Portugal tem-se intensificado, o que tanto confirma algumas das tendências já apontadas na literatura quanto revela mudanças importantes na configuração deste fenômeno. Paralelamente, é possível observar que estas transformações são acompanhadas de um movimento de diversificação discursiva sobre esse cenário e que acontece em diferentes plataformas mediáticas. No caso da televisão, esses discursos são transmitidos na forma de conteúdos audiovisuais que, mais do que apenas uma linguagem alternativa à escrita, são importantes ferramentas de articulação do conhecimento. Buscando-se entender a abordagem semiótica deste fenômeno nos média brasileiros, foi feita uma análise dos episódios da primeira temporada da série jornalística televisiva Portugal pelos Brasileiros, exibida no Brasil pela Rede Globo de Televisão no início do ano de 2018. Os princípios da Semiótica Social de Gunther Kress e Theo van Leeuwen foram utilizados em uma perspectiva interseccional como ponto de partida para se desvelar de que forma os recursos visuais e sonoros na série e a sua conjugação contribuem para a construção de discursos sobre os novos imigrantes brasileiros em Portugal. Face aos arranjos identificados, concluímos atestando a veiculação de um discurso nos média que privilegia a representação da imigração brasileira recente em Portugal de forma segmentada, dando a conhecer a perspectiva de um grupo específico de imigrantes em detrimento da pluralidade de vozes e experiências inerentes ao fenômeno em questão. Entendemos essa intenção de se separar, por meio do repertório semiótico, as representações dos novos imigrantes brasileiros em Portugal, como parte de estratégias discursivas que terão consequências diretas na vida social destes sujeitos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Araújo, E., Cogo, D. & Pinto, M. (2015). Mobilidades, media(ções) e cultura. Comunicação e Sociedade, 28, 7-14. https://doi.org/10.17231/comsoc.28(2015).2267

Assis, G. de O. (2017). Trânsitos contemporâneos: o ir e vir de emigrantes brasileiros(as) rumo à Europa. Terceiro Milênio: Revista Crítica de Sociologia e Política, 8(1), 210–229. Retirado de http://www.revistaterceiromilenio.uenf.br/index.php/rtm/article/download/10/11

Assis, G. de O., Silva, L. M. da & Frederico, M. S. (2016, junho). Mídia e migração: uma análise da (in)visibilidade dos migrantes brasileiros na Europa. Comunicação apresentada no 6° Encontro Regional Sul de História da Mídia, Ponta Grossa.

Bastia, T. (2014). Intersectionality, migration and development. Progress in Development Studies, 14(3), 237-248. https://doi.org/10.1177/1464993414521330

Bourdieu, P. (1997). Sobre a televisão. Oeiras: Celta Editora.

Bourdieu, P. (1998). Prefácio: um analista do inconsciente. In A. Sayad (Ed.), A imigração ou os paradoxos da alteridade (pp. 9-12). São Paulo: EdUSP.

Crenshaw, K. (1991). Mapping the margins: intersectionality, identity politics, and violence against women of color. Stanford Law Review, 43(6), 1241-1299. https://doi.org/10.2307/1229039

Fairclough, N. (1995). Media discourse. Londres: Hodder Headline Group.

Fiske, J. & Hartley, J. (1978/2003). Reading television. Londres: Routledge.

Fonseca, M. L., Esteves, A. & Iorio, J. (2015). Mobilidade internacional de estudantes do ensino superior. In J. Peixoto, B. Padilla, J. C. Marques & P. Góis (Eds.), Vagas atlânticas: migrações entre Brasil e Portugal no início do século XXI (pp. 135-158). Lisboa: Mundos Sociais.

França, T. & Padilla, B. (2018). Imigração brasileira para Portugal: entre o surgimento e a construção mediática de uma nova vaga. Cadernos de Estudos Sociais, 33(2), 207-237.

Gervereau, L. (2007). Ver, compreender, analisar as imagens. Lisboa: Edições 70.

Hall, S. (1973/2001). Encoding and decoding in the television discourse. In S. During (Ed.), The Cultural Studies reader (pp. 507-517). Londres: Routledge.

Heller, E. (2012). A Psicologia das cores: como as cores afetam a emoção e a razão. São Paulo: Gustavo Gili.

Iedema, R. (2004). Analysing film and television: a social semiotic account of “hospital: an unhealthy business”. In T. van Leeuwen & C. Jewitt (Eds.), Handbook of visual analysis (pp. 183-206). Londres: SAGE Publications.

IBGE, Instituto Brasileiro de Estatística e Geografia. (2016). Pesquisa nacional por amostra de domicílios: síntese de indicadores: 2015. Rio de Janeiro: IBGE. Retirado de https://www.biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv98887.pdf

IBGE, Instituto Brasileiro de Estatística e Geografia. (2018). Somos todos iguais? O que dizem as estatísticas. Rio de Janeiro: IBGE. Retirado de https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/media/com_mediaibge/arquivos/17eac9b7a875c68c1b2d1a98c80414c9.pdf

IBGE, Instituto Brasileiro de Estatística e Geografia. (2019). Desigualdades sociais por cor ou raça no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE. Retirado de https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101681_informativo.pdf

Iorio, J. C. & Souza, E. J. (2018). A construção midiática do “Eldorado” lusitano a partir dos novos fluxos migratórios de brasileiros para Portugal. Revista de Ciências Sociais, 8(1), 312-340. Retirado de https://periodicos.ufsm.br/seculoxxi/article/view/35676

Kress, G. & van Leeuwen, T. (2001). Multimodal: the modes and media of contemporary communication discourse. Londres: Arnold.

Kress, G. & van Leeuwen, T. (2006). Reading images: the grammar of visual design. Londres: Routledge.

Lima, M. E. O. (2019). O que há de novo no “novo” racismo do Brasil?. Revista Ensaios e Pesquisa em Educação e Cultura, 4(7), 157-177. https://doi.org/10.29327/211303.4.7-10

Lobo, P. & Cabecinhas, R. (2018). Retratos de género nas notícias televisivas: uma análise das desigualdades por detrás da representação numérica. Estudos em Comunicação, 1(26), 81-99. https://doi.org/10.20287/ec.n26.v1.a06

Machado, I. J. de R. (2004). Apontamentos para uma etnografia da imigração brasileira no Porto, Portugal. In Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra & Centro de Estudos Sociais (Eds.), A questão social no novo milénio – Livro de Atas do 8° Congresso Luso-Afro-Brasileiro de Ciências Sociais (pp. 1-23). Coimbra: Centro de Estudos Sociais. Retirado de https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=4619777

Machin, D. (2013). What is multimodal critical discourse studies? Critical Discourse Studies, 10(4), 347-355. https://doi.org/10.1080/17405904.2013.813770

Marmo, H. (2019, 27 de setembro). Quando o sonho de emigrar para Portugal vira pesadelo. Veja. Retirado de https://veja.abril.com.br/mundo/imigracao-portugal-pesadelo

Martins, M. L. (2017). Crise no castelo da cultura: das estrelas para os ecrãs. Famalicão: Edições Húmus.

May, V. M. (2015). Pursuing intersectionality, unsettling dominant imaginaries. Nova Iorque: Routledge.

Moscovici, S. (1988). Notes towards a description of social representations. European Journal of Social Psychology, 18, 211-250. https://doi.org/10.1002/ejsp.2420180303

Mota-Ribeiro, S. & Pinto-Coelho, Z. (2011). Para além da superfície visual: os anúncios publicitários vistos à luz da semiótica social. Representações e discursos da heterossexualidade e de género. Comunicação e Sociedade, 19, 227-246. https://doi.org/10.17231/comsoc.19(2011).908

Oliveira, F., Cabecinhas, R. & Ferin-Cunha, I. (2011). Retratos da mulher brasileira nas revistas portuguesas. Comunicação apresentada no VII ENECULT - Encontros de Estudos Multidisciplinares em Cultura, Bahia. Retirado de http://hdl.handle.net/1822/19851

Oliveira, M. (2016). O excesso de luz e a fragilização do ouvido. In M. Oliveira & S. Pinto (Eds.), Atas do Congresso Internacional Comunicação e Luz (pp. 329-336). Braga: CECS.

Padilla, B., Marques, J. C., Góis, P. & Peixoto, J. (2015). A imigração brasileira em Portugal: investigação, tendências e perfis. In P. Góis; J. C. Marques; B. Padilla & J. Peixoto (Eds.), Vagas atlânticas: migrações entre Brasil e Portugal no início do século XXI (pp. 9-38). Lisboa: Editora Mundos Sociais.

Pinho, F. (2007). A imprensa na construção do processo migratório: a constituição de Portugal como destino plausível da emigração brasileira. In J. M. Malheiros (Ed.), Imigração brasileira em Portugal (pp. 59-86). Lisboa: Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural, I.P.

Ribeiro, D. (2017). O que é lugar de fala? Belo Horizonte: Letramento Justificando.

Ribeiro, R. (2018, 18 de agosto). Não era como imaginava: cresce o número de brasileiros que pedem ajuda para voltar de Portugal. UOL Notícias. Retirado de https://noticias.uol.com.br/internacional/ultimas-noticias/2018/08/17/brasileiros-voltam-portugal-emigrar-salario-seguranca-visto.htm

Sayad, A. (2011) La doble ausencia: de las ilusiones del emigrado a los padecimientos del inmigrado. Barcelona: Anthropos Editorial.

SEF, Serviço de Estrangeiros e Fronteiras. (2019). Relatório de imigração, fronteiras e asilo 2018. Oeiras: Serviço de Estrangeiros e Fronteiras. Retirado de https://sefstat.sef.pt/Docs/Rifa2018.pdf

Talbot, M. (2007). Media discourse: representation and interaction. Edimburgo: Edinburgh University Press.

van Leeuwen, T. (1999). Speech, music, sound. Londres: MacMillan.

van Leeuwen, T. (2005). Introducing social semiotics. Londres: Routledge.

Publicado

2020-12-23

Como Citar

Posch, P., & Cabecinhas, R. (2020). Estar presente na ausência: a construção semiótica da imigração brasileira recente em Portugal nos média brasileiros. Comunicação E Sociedade, 38, 201-217. https://doi.org/10.17231/comsoc.38(2020).2592

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>