Da comunicação à arte: a McDonald’s e o flat design

Autores

  • Ludovic Chatenet CeReS, Université de Limoges
  • Anne Beyaert-Geslin Université Bordeaux-Montaigne

DOI:

https://doi.org/10.17231/comsoc.31(2017).2624

Palavras-chave:

Design, hipermodernidade, marca, mitologia, publicidade, semiótica

Resumo

O estado dos objetos ou imagens de comunicação está sempre a mudar. Este artigo propõe-se observar este fenómeno de um ponto de vista da semiótica, a fim de analisar de que forma uma marca reinventa a sua imagem e de que forma esta reinvenção está relacionada com uma nova estratégia de marketing. De facto, este artigo tenta demonstrar de que forma o significado dos pósteres revela a importância das marcas na vida quotidiana contemporânea. Iremos demonstrar que os anúncios criados pela TBWA para a campanha de 2015 da McDonald’s são mais considerados um projeto de estetização do que uma artistização. Apesar de inspirado na história “mitológica” da marca e empurrando as propriedades do produto para segundo plano, o flat design exemplifica as últimas formas de vida até à data. Por conseguinte, as marcas parecem estar mais envolvidas e enraizadas na vida social, uma vez que a sua estratégia de comunicação se baseia mais em reunir uma comunidade do que em publicitar os seus produtos. Os anúncios visuais são, consequentemente, absorvidos por uma prática de estetização, específica de um estilo de vida conectado, do qual adotam as normas. Como continua a ser distintiva, a arte também mantém a sua posição de crítica, e o superflat de Murakami revela, assim, um certo desencanto que se esconde por trás de designs normalizados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2017-06-29

Como Citar

Chatenet, L., & Beyaert-Geslin, A. (2017). Da comunicação à arte: a McDonald’s e o flat design. Comunicação E Sociedade, 31, 377-390. https://doi.org/10.17231/comsoc.31(2017).2624

Edição

Secção

Artigos Temáticos

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)