Jornalismo em Estado de Emergência: Uma Análise dos Efeitos da Pandemia Covid-19 nas Relações de Emprego dos Jornalistas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.17231/comsoc.39(2021).3177

Palavras-chave:

desemprego, jornalismo, lay-off, pandemia covid-19, precariedade

Resumo

A condição socioprofissional dos jornalistas tem sofrido profundas transformações ao longo das últimas décadas. Estas têm origem numa sucessão de crises que afetam a comunicação social no contexto de um processo combinado de liberalização e digitalização. Além de mudanças nas rotinas de produção, as redações jornalísticas sofreram operações de reestruturação, responsáveis pela recomposição da sua força de trabalho. Entre despedimentos coletivos, aumento do desemprego, contratos a prazo, “recibos verdes”, formas descontínuas e intermitentes de trabalho, baixos salários, trabalho gratuito e a reduzido custo de estagiários, a precariedade passou, aos poucos, a caracterizar a condição jornalística. A partir dos resultados do “Estudo Sobre os Efeitos do Estado de Emergência no Jornalismo no Contexto da Pandemia Covid-19”, este artigo pretende analisar as implicações destas políticas nas relações de emprego dos jornalistas. O objetivo principal é compreender em que medida é que a resposta das empresas de comunicação social a esta nova realidade representa uma reversão da lógica de precarização ou, pelo contrário, a sua aceleração. O estudo pretende, em primeiro lugar, realizar um diagnóstico das relações de emprego antes da declaração de estado de emergência (DEE) — entre março e abril de 2020 — nomeadamente a incidência de vínculos temporários e a sua relação com fatores como o género ou a idade. Num segundo momento, analisar-se-á os efeitos da DEE a este nível, principalmente no que respeita ao recurso a contratos temporários, a despedimentos ou ao lay-off.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografias Autor

José Luís Garcia, Instituto de Ciências Sociais, Universidade de Lisboa, Lisboa, Portugal

 

 

Pedro Alcântara da Silva, Instituto de Ciências Sociais, Universidade de Lisboa, Lisboa, Portugal

 

 

Referências

Accardo, A. (2007). Journalistes précaires, journalistes au quotidien. Agone.

Alves, P. M. (2020). Porque estão os sindicatos em crise. Seguido de algumas considerações para dela saírem. In P. P. Cabreira (Ed.), História do movimento operário e conflitos sociais em Portugal: Congresso História do Trabalho, do Movimento Operário (pp. 469–492). Instituto de História Contemporânea. https://ihc.fcsh.unl.pt/historia-movimento-operario-2020/

Armano, E., Bove, A., & Murgia, A. (2017). Mapping precariousness, labour insecurity and uncertain livelihoods. Routledge.

Baptista, C. (2012). Uma profissão em risco iminente de ser “descontinuada”. Jornalismo & Jornalistas, 52, 15–17.

Beck, U. (2000). Un nuevo mundo feliz: La precariedad del trabajo en la era de la globalización. Paidós.

Caldas, J. C., Silva, A. A., & Cantante, F. (2020). As consequências socioeconómicas da covid-19 e a sua desigual distribuição. CoLABOR. https://colabor.pt/publicacoes/consequencias-socioeconomicas-covid19-desigual-distribuicao/

Camponez, C. (2011). Deontologia do jornalismo. Almedina.

Camponez, C., & Oliveira, M. (2021). Jornalismo em contexto de crise sanitária: Representações da profissão e expectativas dos jornalistas. Comunicação e Sociedade, 39, 251–267. https://doi.org/10.17231/comsoc.39(2021).3178

Cardoso, G., & Mendonça, S. (2017). Jornalistas e condições laborais: Retrato de uma profissão em transformação. Obercom. https://obercom.pt/jornalistas-e-condicoes-laborais-retrato-de-uma-profissao-em-transformacao/

Cerdeira, M. C. (1997). A sindicalização portuguesa de 1974 a 1995. Sociedade e Trabalho, 1, 46–53.

Cerdeira, M. C. (2000). As novas modalidades de emprego. Ministério do Trabalho; Direção-Geral de Emprego e Formação Profissional; Comissão Interministerial para o Emprego.

Deuze, M., & Fortunati, L. (2010). Atypical newswork, atypical media management. In M. Deuze (Ed.), Managing media work (pp. 111–120). Sage.

Fidalgo. J. (2008). Os novos desafios a um velho ofício ou… um novo ofício? – A redefinição da profissão de jornalista. In M. Pinto & S. Marinho (Eds.), Os media em Portugal nos primeiros cinco anos do século XXI (pp. 109–128). Campo das Letras.

Fidalgo, J. (2019). Em trânsito pelas fronteiras do jornalismo. Comunicação Pública, 14(27). https://doi.org/10.4000/cp.5522

Garcia, J. L., Marmeleira, J., & Matos, J. N. (2014). Incertezas, vulnerabilidades e desdobramento de atividades. In J. Rebelo (Ed.), As novas gerações de jornalistas em Portugal (pp. 9–19). Editora Mundos Sociais.

Garcia, J. L., Martinho, T. D., Cunha, D. S., Alves, M. P., Matos, J., & Graça, S. M. (2020). O choque tecno-liberal, os media e o jornalismo. Estudos críticos sobre a realidade portuguesa. Almedina.

Garcia, J. L., Martinho, T. D., Matos, J. N., Ramalho, J., Cunha, D. S., & Pinho Alves, M. (2018). Sustainability and its contradictory meanings in the digital media ecosystem: Contributions from the Portuguese scenario. In A. Delicado, N. Domingos, & L. Sousa (Eds.), Changing societies: Legacies and challenges. Vol. iii. The diverse worlds of sustainability (pp. 341–361). Imprensa de Ciências Sociais.

Garcia, J. L., & Silva, P. A. (2009). Elementos de composição socioprofissional e de segmentação. In J. L. Garcia (Ed.), Estudos sobre os jornalistas portugueses: Metamorfoses e encruzilhadas no limiar do século XX (pp. 121–132). Imprensa de Ciências Sociais.

Garcia, L., & Castro, L. (1993). Os jornalistas portugueses: Da recomposição social aos processos de legitimação profissional. Sociologia: Problemas e Práticas, 13, 93–114. https://doi.org/10.31447/AS00032573.2019230.07

I Congresso dos Jornalistas. (1982). 1.º Congresso dos Jornalistas Portugueses: Conclusões, teses, documentos. Secretariado da Comissão Executiva do 1.º Congresso dos Jornalistas Portugueses.

III Congresso dos Jornalistas. (1998). Resolução. In Sindicato dos Jornalistas. (Ed.), Gazeta: III Congresso dos Jornalistas (pp. 62–66). Sindicato dos Jornalistas.

Instituto Nacional de Estatística. (2020, 2 de junho). Estimativas mensais de emprego e desemprego: Em março, a taxa de desemprego situou-se em 6,2% e a taxa de subutilização do trabalho em 12,4% - Abril de 2020. https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_destaques&DESTAQUESdest_boui=415271422&DESTAQUESmodo=2

Kóvacs, I. (1999). Qualificação, formação e empregabilidade. Sociedade e Trabalho, 4, 7–17.

Kuehn, K., & Corrigan, T. (2013). Hope labor: The role of employment prospects in online social production. The Political Economy of Communication, 1(1), 9–25.

Lobo, P., Silveirinha, M. J., Silva, M. T., & Subtil, F. (2017). In journalism, we are all men. Journalism Studies, 18(9), 1148–1166. https://doi.org/10.1080/1461670X.2015.1111161

Lorey, I. (2015). State of insecurity: Government of the precarious. Verso.

Matos, J. N. (2020). “It was Journalism that abandoned me”: An analysis of journalism in Portugal. triple C: Communication, Capitalism & Critique, 18(2), 535–555. https://doi.org/10.31269/triplec.v18i2.1148

Miranda, J., Fidalgo, J., & Martins, P. (2021). Jornalistas em tempo de pandemia: Novas rotinas profissionais, novos desafios éticos. Comunicação e Sociedade, 39, 287–307. https://doi.org/10.17231/comsoc.39(2021).3176

Miranda, J., & Gama, R. (2019). Os jornalistas portugueses sob o efeito das transformações dos media. Traços de uma profissão estratificada. Análise Social, 54(230), 154–177. https://doi.org/10.31447/AS00032573.2019230.07

Mosco, V. (2019). Labour and the next internet. In M. Deuze & M. Prenger (Eds.), Making media: Productions, practices, and professions (pp. 259–271). Amsterdam University Press.

O’Donnell, P., Zion, L., & Sherwood, M. (2016). Where do journalists go after newsroom job cuts? Journalism Practice, 10(1), 35–51. https://doi.org/10.1080/17512786.2015.1017400

Rebelo, J. (2011). Ser jornalista em Portugal. Gradiva.

Schmidt, T. R. (2020). Rearticulating carey. Cultural institutionalism as a model to theorise journalism in time. In M. Bergman, K. Kirtiklis, & J. Siebers (Eds.), Models of communication. Theoretical and philosophical approaches (pp. 133–151). Routledge.

Schumpeter, J. (1975). Capitalism, socialism, and democracy. Harper & Row.

Silva, E. C. (2004). Os donos da notícia: Concentração da propriedade dos media em Portugal. Porto Editora.

Silva, E. C. (2015). Crisis, financialization and regulation: The case of media industries in Portugal. The Political Economy of Communication, 2(2), 47–60. http://hdl.handle.net/1822/42239

Sindicato dos Jornalistas. (1981). Escândalo não pode continuar. Jornalistas: 10 por cento são contratados a prazo. Jornalismo, 2, 10.

Sindicato dos Jornalistas. (2020, 6 de novembro). Lay-off não pode servir para financiar despedimentos. https://jornalistas.eu/lay-off-nao-pode-servir-para-financiar-despedimentos/

Sousa, H., & Santos, L. (2014). Portugal at the eye of the storm: Crisis, austerity and the media. Javnost – The Public, 21(4), 47–61. https://doi.org/10.1080/13183222.2014.11077102

Waldenström, A., Wiik, J., & Andersson, U. (2018). Conditional autonomy: Journalistic practice in the tension field between professionalism and managerialism. Journalism Practice, 13(4), 493–508. https://doi.org/10.1080/17512786.2018.1485510.

Witschge, T., & Nygren, G. (2009). Journalistic work: A profession under pressure? Journal of Media Business Studies, 6(1), 37–59. http://doi.org/10.1080/16522354.2009.11073478

Publicado

2021-06-30

Como Citar

Garcia, J. L., Matos, J. N., & Silva, P. A. da. (2021). Jornalismo em Estado de Emergência: Uma Análise dos Efeitos da Pandemia Covid-19 nas Relações de Emprego dos Jornalistas. Comunicação E Sociedade, 39, 269-285. https://doi.org/10.17231/comsoc.39(2021).3177