Imagens e poder: encenação, rasura e pintura

Autores

  • Eduardo Paz Barroso LabCom, Universidade da Beira Interior, Portugal / Faculdade de Ciências Humanas e Sociais, Universidade Fernando Pessoa, Portugal https://orcid.org/0000-0002-3788-8459
  • Rui Estrada Centro de Investigação Transdisciplinar Cultura, Espaço e Memória, Faculdade de Letras da Universidade do Porto, Portugal / Faculdade de Ciências Humanas e Sociais, Universidade Fernando Pessoa, Portugal https://orcid.org/0000-0002-8076-6692
  • Teresa Toldy Centro de Estudos Sociais, Universidade de Coimbra, Portugal / Faculdade de Ciências Humanas e Sociais, Universidade Fernando Pessoa, Portugal https://orcid.org/0000-0002-2299-3504

DOI:

https://doi.org/10.17231/comsoc.38(2020).2451

Palavras-chave:

fotografia, pintura, poder, nazismo, estalinismo

Resumo

Este artigo procura abordar o poder da presença da imagem em três períodos históricos do século XX, algo que se tornou omnipresente nestas épocas históricas, mas que não é exclusivo das mesmas: veja-se a referência ao impacto da visão de parte do corpo descoberto de Frine, levada a julgamento no século IV a.C. A imagem, em dois dos casos aqui apresentados (o nazismo e o estalinismo), constituiu um instrumento ao serviço do poder, com o objetivo de encenar simultaneamente a “heroicidade” e uma normalidade em contraste radical com uma brutalidade que marcou decisivamente a história e constituiu um dos principais momentos de trevas vividos no século XX. Por seu turno, sob Estaline, a imagem é manipulada, tornando o processo de rasura de personagens uma alegoria macabra da sua aniquilação real. A eficácia da reconstrução da realidade, através da manipulação da imagem, passa, assim, por uma ilusão de omnipotência: como se os ditadores tivessem o poder de enunciar, construir e destruir a “realidade”. Na terceira parte, partindo da questão da acentuada erosão das imagens na atualidade, a discussão centra-se na resposta que a pintura abre e problematiza. Ao contrário do carácter efémero da fotografia, a pintura sobrevive a tempos sombrios, persiste teimosamente, como se pode ver no caso de Tuymans. A memória não pode ser apagada. E porque não é programática, porque constitui uma tentativa de despoluição da imagem, rasga o espaço para a busca de sentido.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Barthes, R. (1976). Mitologias. Lisboa: Edições 70.

Benjamin, W. (2006). A modernidade, obras escolhidas de Walter Benjamin. Lisboa: Assírio & Alvim.

Blackmore, E. (2019, 26 de abril). How photos became a weapon in Stalin’s Great Purge. Canal História. Retirado de https://www.history.com/news/josef-stalin-great-purge-photo-retouching

Bauman, Z. & Bordini, C. (2016). Estado de crise. Lisboa: Relógio d´Água.

Bougeois, C. (2019). Luc Tuymans. La Pelle. Veneza: Marsilio Editori. Retirado de https://www.palazzograssi.it/site/assets/files/7599/guidina_la_pelle_tuymans_fra.pdf

Brett, D. W. (2016). Banality, memory and the index: Thomas Demand and Hitler’s photographer. Journal photographies, 9, 233-249.

Cooper, C. (1995). Hyperides and the trial of Phryne. Phoenix, 49(4), 303-318.

Cowling, E. (2009). Competition and collaboration: Picasso and the old masters. In C. Riopelle & A. Robbins, Catálogo Picasso: challenging the past (pp. 11-23). Londres: The National Gallery.

Crespo, N. (2019, 20 de agosto). Luc Tuymans: a persistência política da pintura. Público - Ípsilon, pp. 24-25.

Curado, A. L. (2008). Mulheres em Atenas. Lisboa: Sá da Costa Editora.

Danto, A. C. (1964). The artworld. The Journal of Philosophy, 61(19), 571-584.

Debord, G. (2018). La société du spectacle. Paris: Gallimard.

Dickerman, L. (2000). Camera obscura: socialist realism in the shadow of photography. The MIT Press, 93, 138-153.

D’ Orey, C. (2007). O que é a Arte? A perspectiva analítica. Lisboa: Dinalivro.

Duchamp, M. (1990). O engenheiro do tempo perdido, entrevistas com Pierre Cabanne. Lisboa: Assírio & Alvim.

Dyck, A. R. (2001). Dressing to kill: attire as a proof and means of characterization in Cicero’s speeches. Arethusa, 34(1), 119-130. Retirado de http://www.jstor.org/stable/779160

Eco, U. (2004). Os limites da interpretação. Lisboa: Difel.

Fellini, F. (Realizador). (1963). 8 ½ [Filme]. Roma: CSC – Cineteca Nazionale.

Freund, G. (1995). Fotografia e sociedade. Lisboa: Vega.

Gayford, M., Holborn, M. & Dawson, D. (2018). Lucian Freud. Londres, Nova Iorque: Phaidon Press.

Gessen, M. (2018, 15 de julho). The photo book that captured how the soviet regime made the truth disappear. The New Yorker. Retirado de https://www.newyorker.com/culture/photo-booth/the-photo-book-that-captured-how-the-soviet-regime-made-the-truth-disappear

Górgias. (1993). Testemunhos e fragmentos. Lisboa: Colibri.

Gortemaker, H. B. (2012). Eva Braun: life with Hitler. Londres: Vintage.

Harrison, M. & Daniels, R. (2016). Francis Bacon: catalogue raisonné. Londres: Estate of Francis Bacon.

Hoffmann, H. (1932). Hitler wie ihn keiner kennt. Berlin: Verlag und Vertriebs-Gesellschaft M. B. H.

Júnior, M. A. (2008). Eficácia retórica: a palavra e a imagem. Revista Rhêtorikê. Retirado de http://www.rhetorike.ubi.pt/00/pdf/alexandre-junior-eficacia-retorica.pdf

Kapparis, K. (2017). Prostitution in the ancient greek world. Berlim: De Gruyter.

Kloska, J. (Realizador). (2014) The rise of the Nazi Party [Documentário]. Athena.

Kruszynski, A., Bezzola, T. & Lingwood, J. (2010). Thomas Struth: photographs 1978−2010. Nova Iorque: The Monacelli Press.

Milhazes, J. (2018). Laurenti Béria. O carrasco ao serviço de Estaline. Lisboa: Oficina do Livro.

Montefiore, S. S. (2017). Estaline. A corte do Czar vermelho. Lisboa: Alêtheia Editores.

Moorhouse, R. (2014). Calling time on Hitler’s Hoax. History Today, 64(12), 7.

Overy, R. (2016). Os ditadores. A Alemanha de Hitler e a Rússia de Estaline. Lisboa: Bertrand Editora.

Pereira, M. H. R. (1971). Helade, antologia da cultura grega. Coimbra: Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra.

Pina, L. (1984). John Ford – a luz e o olhar. In Catálogo John Ford. Lisboa: Cinemateca Portuguesa/Fundação Calouste Gulbenkian.

Pisch, A. (2016). The personality cult of Stalin in Soviet posters, 1929 - 1953: archetypes, inventions and fabrications. ANU Press. Retirado de http://press- files.anu.edu.au/downloads/press/n2129/html/cover.xhtml?referer=2129&page=0#

Reust, H. R. (2006). Penumbra – Um turno da noite. In Catálogo Dusk/Penumbra. Porto: Museu de Arte Contemporânea de Serralves.

Rosenbaum, R. (2012, 03 de setembro). Hitler’s doomed angel. Vanity Fair. Retirado de https://www.vanityfair.com/news/1992/04/hitlers-doomed-angel

Siegal, N. (2019, 21 de março). Luc Tuymans, master of moral complexities, tries something new. The New York Times. Retirado de https://www.nytimes.com/2019/03/21/arts/design/luc-tuymans-palazzo-grassi-mosaic-la-pelle.html.

Sullivan, R. (2016). A filha de Estaline. A vida extraordinária e tumultuosa de Svetlana Alliluyeeva. Lisboa: Temas e Debates/Círculo dos Leitores.

Tuymans, L. (2006). Sobre a imagem. In Catálogo Dusk/Penumbra. Porto: Museu de Arte Contemporânea de Serralves.

Zelizer, B. (2010). How news images move the public. USA: Oxford University Press.

Zelizer. B. (2018). Crise, incerteza e jornalismo. Electra, 4, 89-106.

Publicado

2020-12-23

Como Citar

Barroso, E. P., Estrada, R., & Toldy, T. (2020). Imagens e poder: encenação, rasura e pintura. Comunicação E Sociedade, 38, 221-242. https://doi.org/10.17231/comsoc.38(2020).2451