Narrativas digitais: um estudo sobre os videoclipes interativos da banda Arcade Fire

Autores

  • Elisa Maria Rodrigues Barboza Universidade Federal de Juiz de Fora, Instituto de Artes e Design

DOI:

https://doi.org/10.17231/comsoc.27(2015).2107

Palavras-chave:

Videoclipe, narrativas digitais, interatividade, Arcade Fire

Resumo

Inicialmente tido como um produto audiovisual principalmente televisivo, o videoclipe, nos últimos anos, tem se expandido e ganhado força no ambiente virtual. A possibilidade de acesso fácil e rápido aos clipes através de sites como YouTube e Vimeo, além de permitir maior liberdade tendo em vista as rígidas programações televisivas, foi apenas o começo de um processo de desenvolvimento criativo desse formato. Abarcando as transformações tecnológicas, culmina a aparição dos videoclipes interativos que fortalecem os investimentos nas experiências narrativas para a internet. Nesse âmbito, uma das bandas que se destaca nessa vertente é o Arcade Fire, que já produziu ao longo de seu trajeto quatro projetos audiovisuais interativos, sendo eles Neon Bible (Vincent Morisset, 2007), Sprawl II (Vincent Morisset, 2010), The Wilderness Dowtown (Chris Milk, 2010) e Just a Reflektor (Vincent Morisset, 2013).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2015-06-29

Como Citar

Barboza, E. M. R. (2015). Narrativas digitais: um estudo sobre os videoclipes interativos da banda Arcade Fire. Comunicação E Sociedade, 27, 369-385. https://doi.org/10.17231/comsoc.27(2015).2107

Edição

Secção

Comunicação, Expressividade e Narratividade nos Videojogos