A crise dos refugiados: sequências narrativas e emoção em crónicas/reportagens ou a narrativa ao serviço da persuasão

Autores

DOI:

https://doi.org/10.17231/comsoc.38(2020).2595

Palavras-chave:

empatia linguística, persuasão, narração, refugiados, média

Resumo

Pretende mostrar-se, num corpus ad hoc de textos dos média centrados na crise dos refugiados, de que forma alguns mecanismos linguísticos e, mais especificamente, enunciativo-pragmáticos contribuem para a construção de um discurso empático, usado para fins argumentativos. Esses textos jornalísticos estão entre a crónica e a reportagem. Tomam partido, embora não o façam explicitamente, através de um conjunto de argumentos lógicos, objetivamente arrumados e assumidos pelo locutor, mas antes através de narrativas que têm os refugiados como fonte de informação e como protagonistas e, às vezes, como narradores primeiros. Por meio dessas narrativas, o locutor procura aproximar-se da vivência trágica relatada pelos refugiados e trazê-la para perto do leitor, cuja empatia (Lencastre, 2011) visa conquistar. A empatia linguística (Rabatel, 2017) traduz-se em mecanismos enunciativos como pôr-se no lugar do outro, assumindo a sua voz, para compreender o seu ponto de vista. As sequências narrativas, mas também as descritivas e dialogais (Adam, 2005) estão ao serviço dessa empatia, através da qual se procura conseguir a persuasão do alocutário. Serão elencados vários mecanismos que contribuem para a mesma estratégia discursiva de convencimento do alocutário, através da patemização do discurso. Conclui-se que a emoção no discurso (Plantin, 2011), que leva à empatia, é maior se for protagonizada pela voz de pessoas com nome e histórias situadas em espaços que se podem descrever, pondo palavras relatadas, narrativas e descrições ao serviço da construção da tese que os locutores jornalistas defendem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Adam, J-M. (2005). La linguistique textuelle: introduction à l’analyse textuelle des discours. Paris: Armand Colin.

Benveniste, É. (1966). Problèmes de linguistique générale. Paris: Gallimard.

Charaudeau, P. & Maingueneau, D. (2004). Dicionário de análise do discurso. São Paulo: Contexto.

Dahlet, P. (2016). O discurso político e o sujeito coletivo: fachadas do nós. In W. Emediato (Ed.), Análise do discurso político (pp. 214-240). Belo Horizonte: Editora FALE/UFMG.

Dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea (2001). Academia das Ciências. Lisboa: Verbo.

Duarte, I. M. (2015). Conhecer gentes e as suas histórias: a narrativa como forma de persuasão. In M. Pinto; S. Pereira & M. J. Brites (Eds.), Os media e a crise dos refugiados, agenda de atividades (pp. 15-16). Braga: Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade (CECS), Universidade do Minho.

Ducrot, O. (1985). Le dire et le dit. Paris: Les Éditions de Minuit.

Hattnher, M. M. (2018). A expressão lexical da evidencialidade: reflexões sobre a dedução e a percepção de evento. Entrepalavras, 8, [n. especial], 98-111. http://doi.org/10.22168/2237-6321-6esp1244

Kerbrat-Orecchioni, C. (1980). L’énonciation. De la subjectivité dans le langage. Paris: Armand Colin.

Krieg-Planque, A. (2009). La notion de “formule” en analyse du discours. Cadre théorique et méthodologique. Besançon: Presses Universitaires de Franche-Comté.

Kronning, H. (2012). Le conditionnel épistémique: propriétés et fonctions discursives. Langue française, 173, 83-97. https://doi.org/10.3917/lf.173.0083

Lencastre, M. (2011). Empatia, teoria da mente e linguagem. Fundamentos etológicos, psicológicos e culturais dos valores. ANTROPOlógicas, 12, 9-18.

Mais de 20 mil migrantes morreram em travessias no Mediterrâneo desde 2014 (2020, 06 de março). ONU News. Retirado de https://news.un.org/pt/story/2020/03/1706451

Manuel, A. (2011). Information d’urgence et information télévisée: analyse d’un paradigme communicationnel (les événements du tsunami de 2004 et du 11 septembre 2001. Tese de Doutoramento, Université de Besançon, Franche-Comté, Besançon, França. Retirado de https://tel.archives-ouvertes.fr/tel-00973871/

Plantin, C. (2011). Les bonnes raisons des émotions. Principes et méthode pour l’étude du discours émotionné. Berne: Peter Lang.

Prince, G. (1978). Le discours attributif et le récit. Poétique, 35, 305-313.

Público. (2005). Livro de estilo (2.ª ed.). Lisboa: Público, Comunicação, S.A.

Rabatel, A. (2013). Ecrire les émotions en mode emphatique. Semen, 35. https://doi.org/10.4000/semen.9811

Rabatel, A. (2017). Empathie et émotions argumentées en discours. In A. Rabatel (Ed.), Pour une lecture linguistique et critique des médias. Empathie, éthique, point(s) de vue (pp. 265-276). Limoges: Lambert-Lucas.

Rota do Mediterrâneo é a mais perigosa e já matou mais de mil migrantes este ano (2019, 07 de outubro). Observador. Retirado de https://observador.pt/2019/10/07/rota-do-mediterraneo-e-a-mais-perigosa-e-ja-matou-mais-de-mil-migrantes-este-ano/

Salvan, G. (2005). L’incise de discours rapporté dans le roman français du xviiie au xxe siècle: contraintes syntaxiques et vocation textuelle. In A. Jaubert (Ed.), Cohésion et cohérence: études de linguistique textuelle. Lyon: ENS Éditions. https://doi.org/10.4000/books.enseditions.144

Zhang, G. (2015). Elastic language. How and why we stretch our words. Cambridge: Cambridge University Press.

Publicado

2020-12-23

Como Citar

Duarte, I. M. (2020). A crise dos refugiados: sequências narrativas e emoção em crónicas/reportagens ou a narrativa ao serviço da persuasão. Comunicação E Sociedade, 38, 107-122. https://doi.org/10.17231/comsoc.38(2020).2595