Bela e sadia! A mulher nas páginas da revista Alterosa (1939-1945) durante o Estado Novo e o processo de americanização do Brasil

Autores

  • Gelka Barros Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

DOI:

https://doi.org/10.17231/comsoc.32(2017).2757

Palavras-chave:

Papel social, mulher, corpo, Estado Novo, americanização

Resumo

Este artigo tem por objetivo analisar as estratégias discursivas presentes na revista ilustrada Alterosa. O intuito é compreender a construção do papel social da mulher brasileira, no período de 1939 a 1945, cenário que redefiniu o padrão corporal, conformando condutas sociais, por meio de valores morais baseados na ordem conjugal. A metodologia utilizada combina análise de conteúdo de texto e fotografia. O aporte teórico subsidia as reflexões, embasando-se em Scott (1995), Perrot (2000), Maia (2001), Del Priori (2003) e Matos (2003), agregando a especificidade contextual do Estado Novo em Goellner (2008) e Carvalho (2011). Para o entendimento das circunstâncias do processo de americanização buscou-se diálogo com Tota (2000). Da análise conclui-se que os discursos publicados sobre a mulher na revista, indiciando traços de uma educação do corpo, se alinhavam à cultura de massa norte-americana e ao projeto nacionalista do presidente Getúlio Vargas, conhecido por Estado Novo (1937-1945) e caracterizado pela centralização do poder, autoritarismo, populismo, nacionalismo e anticomunismo (Neto, 2013).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2017-12-29

Como Citar

Barros, G. (2017). Bela e sadia! A mulher nas páginas da revista Alterosa (1939-1945) durante o Estado Novo e o processo de americanização do Brasil. Comunicação E Sociedade, 32, 191-209. https://doi.org/10.17231/comsoc.32(2017).2757

Edição

Secção

Artigos temáticos