A Experiência Negra de Ranqueamento Social na Uber: Uma Reflexão Racializada da Vigilância Contemporânea

Autores

DOI:

https://doi.org/10.17231/comsoc.39(2021).2838

Palavras-chave:

ranqueamento social, Uber, racismo, vigilância

Resumo

Este estudo analisa a experiência de ranqueamento social de usuários e motoristas negros da empresa de transporte privado Uber, na cidade do Rio de janeiro, Brasil. Com os olhares voltados para a vivência e para o sistema de avaliação da empresa, observa-se como a experiência aparece na lógica contemporânea da vigilância. A partir de discussões e observações realizadas em pesquisa exploratória, o estudo questiona: na ambiência da Uber, com mecanismos de vigilância de dados em operação, de que modo os negros estão vivenciando a lógica social de ranqueamento? A cartografia foi a metodologia escolhida para o estudo, considerando a possibilidade de acompanhar processos e sua aposta na experimentação, com procedimentos flexíveis de produção de dados, bem como o seu caráter pesquisa-intervenção (Escóssia et al., 2009). Assim, o objetivo principal da pesquisa é investigar essa vivência com o intuito de ampliar a análise da vigilância contemporânea com um recorte racializado e entre os objetivos específicos pretende-se romper com o silenciamento e a invisibilidade de perspectivas teóricas negras (Ribeiro, 2017). O arcabouço teórico do estudo será dividido em dois eixos: estudo das relações raciais e os estudos de vigilância. Percebemos, assim, que na era do big data a discriminação pode aparecer de forma oculta, pois as tecnologias performam uma falsa neutralidade, o que acelera e cria discriminações ainda mais profundas (Benjamin, 2019).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Akotirene, C. (2019). Interseccionalidade. Sueli Carneiro; Pólen.

Almeida, S. (2018). Racismo estrutural. Letramento.

Amaral, F. (2016). Introdução a ciência de dados: Mineração de dados e big data. Alta Books.

Benjamin, R. (2019). Race after technology. Polity Press.

Borges, J. (2019). Encarceramento em massa. Sueli Carneiro; Polén.

Braga, R., & Evangelo, N. (2017). Meeoo, isso é muito Black Mirror: A nota da Uber como punição do comportamento social na sociedade da vigilância distribuída. In Anais do XXVI COMPÓS – Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação (pp. 1-17). http://www.compos.org.br/data/arquivos_2017/trabalhos_arquivo_QB5FBIXWGP5D1KD0YBID_26_5808_21_02_2017_14_46_40.pdf

Browne, S. (2015). Dark matters: On the surveillance of blackness. Duke University Press.

Bruno, F. (2013). Máquinas de ver, modos de ser: Vigilância, tecnologia e subjetividade. Sulina.

Deleuze, G. (2013). Conversações (P. P. Pelbart, Trad.). Editora 34.

Escóssia, L., Kastrup, V., & Passos, E. (2009). Apresentação. In E. Passos, V. Kastrup, & L. Escóssia (Eds.), Pistas do método da cartografia: Pesquisa-intervenção e produção de subjetividade (pp. 7–16). Sulina.

Foucault, M. (2014). Vigiar e punir: Nascimento da prisão (R. Ramalhote, Trad.). Vozes. (Trabalho original publicado em 1975)

FutureBridge. (2020, 14 de maio). E-hailing: Consuming mobility-as-a-service. https://www.futurebridge.com/uncategorized/e-hailing-consuming-mobility-as-a-service/

Ghedin, R. (2019, 12 de abril). 5 Pontos para entender a operação da Uber a partir do seu pedido de IPO. Manual do Usuário. https://manualdousuario.net/uber-ipo-brasil/

Kastrup, V. (2008). O método da cartografia e os quatro níveis da pesquisa-intervenção. In L. R. de Castro & V. L. Besset (Eds.), Pesquisa-intervenção na infância e juventude (pp. 465–489). Trarepa; FAPERJ.

Kastrup. V., Passos, E., & Tedesco. S. (2014). Pistas do método da cartografia: A experiência da pesquisa e o plano comum. Sulina

Kilomba, G. (2019). Memórias da plantação: Episódios de racismo cotidiano (N. Quintas, Trad.). Editora Cobogó. (Trabalho original publicado em 2008)

Lyon, D. (2015). Surveillance after Snowden. Polity Press.

Mahmoudi, D., O’Sullivan, D., & Thatcher, J. (2016). Data colonialism through accumulation by dispossession: New metaphors for daily data. Environment and Planning D, Forthcoming, 34(6), 990–1006. https://doi.org/10.1177/0263775816633195

Mbembe, A. (2018). A crítica da razão negra (S. Nascimento, Trad.). N-1 Edições. (Trabalho original publicado em 2013)

Plunkett, J. (2015, 8 de setembro). Netflix set to make new series of Charlie Brooker’s dystopian drama Black Mirror. The Guardian. https://www.theguardian.com/media/2015/sep/08/netflix-new-series-charlie-brooker-dystopian-drama-black-mirror

Ribeiro, D. (2017). O que é lugar de fala. Letramento.

Serviço de caronas remuneradas Uber inicia operações no Brasil. (2014, 27 de maio). O Globo. https://oglobo.globo.com/economia/tecnologia/servico-de-caronas-remuneradas-uber-inicia-operacoes-no-brasil-12618444

Uber. (s.d.). Quem somos. https://www.uber.com/br/pt-br/about/

Wright, J. (Diretor). (2016). Nosedive (Temporada 3, Episódio 1) [Episódio de série de TV]. In C. Brooker (Produtor Executivo), Black mirror. Zeppotron; Channel 4 Television Corporation; Babieka.

Zuboff, S. (2018). Big other: Capitalismo de vigilância e perspectivas para uma civilização de informação. In F. Bruno, B. Cardoso, M. Kanashiro, L. Guilhon, & L. Melgaço (Eds.), Tecnopolíticas da vigilância – Perspectivas da margem (pp. 17–68). Boitempo.

Publicado

2021-06-30

Como Citar

Evangelo, N. S., & Oliveira, F. C. R. M. de. (2021). A Experiência Negra de Ranqueamento Social na Uber: Uma Reflexão Racializada da Vigilância Contemporânea. Comunicação E Sociedade, 39, 83-100. https://doi.org/10.17231/comsoc.39(2021).2838