Barbarus ad portas: a agressividade verbal em comentários na rede social Facebook

Autores

  • Isabel Roboredo Seara Universidade Aberta, Portugal/Centro de Linguística da Universidade Nova de Lisboa, Portugal / Centro de Estudos Humanísticos da Universidade do Minho, Portugal https://orcid.org/0000-0003-2117-5320
  • Ana Lúcia Tinoco Cabral Instituto de Pesquisa Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, Universidade de São Paulo, Brasil https://orcid.org/0000-0001-6417-2766

DOI:

https://doi.org/10.17231/comsoc.38(2020).2588

Palavras-chave:

violência verbal, argumento ad hominem, redes sociais, Facebook, migrantes, refugiados

Resumo

O presente artigo discute a problemática da representação de migrantes refugiados na Europa, Portugal, e na América Latina, Brasil. Focalizando a violência verbal na web, neste estudo pretende-se analisar comentários de usuários do Facebook, destacando o argumento ad hominem como estratégia para macular a imagem dos migrantes refugiados, o trabalho observa duas formas de materialização desse argumento: o ataque pessoal direto e o ataque pessoal indireto. São analisadas as estratégias verbais que permitem desqualificar migrantes refugiados e representá-los negativamente. O quadro teórico é tributário da análise do discurso em diálogo com a retórica, representada pelas pesquisas de Amossy (1999, 2014b), entre outros, complementando-se em estudos sobre interações em redes sociais (Castells, 2013), e sobre violência verbal (Culpeper, 2008; Bousfield, 2008), em particular a violência verbal na internet e nas redes sociais (Castells, 2013; Rodeghiero, 2012). A análise discursiva-pragmática foi efetuada num corpus de mensagens no Facebook, recolhidas entre julho e agosto de 2017, sobre a crise migratória na Europa, e recolhidas em agosto de 2018, sobre a imigração de venezuelanos para o Brasil. O estudo permite-nos comprovar que, numa era em que as redes sociais disseminam e contagiam, através da palavra escrita, as opiniões livres de todos os que anteriormente não tinham acesso à expressão pública da sua opinião, as estratégias desvalorizadoras e agressivas dominam os comentários nas redes sociais e veiculam posicionamentos que visam excluir o migrante, considerado como perturbador de uma ordem estabelecida.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Agier, M. (2002). Aux bords du monde: les réfugiés. Paris: Flammarion.

Agierm M. (2006). Refugiados diante da nova ordem mundial. Tempo Social, Revista de Sociologia da USP, 18(2), 197-215.

Amossy, R. (1999). Images de soi dans le discours. Paris: Delachaux et Niestlé.

Amossy, R. (2014a). Apologie de la polémique. Paris: PUF.

Amossy, R. (2014b). L’ethos et ses doubles contemporains. Prespectives disciplinaires. Langage et Société, 3(149), 13-30.

Andresen, S. de M. B. (2015). Obra poética. Lisboa: Assírio e Alvim.

Auger, N., Fracchiola, B., Moïse, C. & Schutz-Romain, C. (2008). De la violence verbale pour une sociolinguistique des discours et des interactions. In Actes du Congrès Mondial de Linguistique Française (pp. 631-643). Paris: EDP Sciences.

Blinder, S. & Jelena, T. (2005). Refugees as a particular form of transnational migrations and social transformations: Socioanthropological and gender aspects. Current Sociology, 53(4), 607-624.

Bousfield, D. (2008). Impoliteness in the struggle for power. In D. Bousfield & M. A. Locher (Eds.), Impoliteness in language (pp. 127-153). Berlim, Nova Iorque: Mouton de Gruyter.

Cabral, A. L. T & Lima, N. V. (2017). Argumentação e polêmica nas redes sociais: o papel de violência verbal. Signo, 42(73), 86-97. Retirado de http://online.unisc.br/seer/index.php/signo

Cabral, A. L. T. & Albert, S. A. B. (2017). Quebra de polidez na interação: das redes sociais para os ambientes virtuais de aprendizagem. In A. L. T. Cabral; I. R. Seara & M. F. Guaranha (Eds.), Descortesia e cortesia: expressão de culturas (pp. 267-294). São Paulo: Cortez.

Cabral, A. L. T. (2013). Reclamação, crítica e advertência nas interações verbais em ambientes virtuais: subjetividade, polidez e atos de fala. Estudos Linguísticos, 8, 91-105.

Cabral, A.L.T., Marquesi, S. C. & Seara, I. R. (2015). L’articulation entre le descriptif et les émotions dans l’argumentation en faveur de Dominique Strauss-Kahn. In A. Rabatel; M. Monte & M. G. S. Rodrigues (Eds.), Comment les médias parlent des émotions l’Affaire Nafissatou Diallo contre Dominique Strauss-Kahn (pp. 307-323). Limoges: Lambert-Lucas.

Carvalheiro, J. R., Prior, H. & Morais, R. (2015). Público, privado e representação online. In J. R. Carvalheiro (Ed.), A nova fluidez de uma velha dicotomia: público e privado nas comunicações móveis (pp. 7-27). Covilhã: LabCom.

Castells, M. (2013). Redes de indignação e esperança: movimentos sociais na era da internet. Rio de Janeiro: Zahar.

Charaudeau, P. (1996). Para uma nova análise do discurso. In A. D. Carneiro (Ed.), O discurso da mídia (pp. 5-43). Rio de Janeiro: Oficina do Autor.

Charaudeau, P. 2005. Le discours politique. Les masques du pouvoir. Paris: Vuibet.

Chelotti, J. D. & Cruz, R. L. S. (2016). A dicotomia da globalização sob o prisma dos refugiados: uma análise da flexibilização das fronteiras para os bens e capital em contraste aos seres humanos. In Anais do XII Seminário Internacional Demandas Sociais e Políticas Públicas na Sociedade Contemporânea. Retirado de https://online.unisc.br/acadnet/anais/index.php/sidspp/article/viewFile/16033/3922

Culpeper, J. (2008). Reflections on impoliteness, relational work and power. In D. Bousfield & M. A. Locher (Eds.), Impoliteness in language (pp.17-44). Berlim, Nova Iorque: Mouton de Gruyter.

Dabrowska, M. (2013). Variation in language: faces of Facebook English. Frankfurt: Peter Lang.

Declaração de Cartagena (1984). Retirado de https://www.acnur.org/fileadmin/Documentos/portugues/BD_Legal/Instrumentos_Internacionais/Declaracao_de_Cartagena.pdf?view

Develtotte, C. (2006). Décrire l’espace d’exposition discursive dans un campus numérique. Le français dans le monde. Recherches et applications [Vol. especial], 88-100. Retirado de https://halshs.archives-ouvertes.fr/halshs-00151851

Fiddian-Qasmiyeh, E., Loescher, G., Long, K. & Sigona, N. (2014). The Oxford handbook of refugee and forced migration studies. Oxford: Oxford University Press.

Houassis, A. & Villar, M. S. (2011). Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva.

Kerbrat-Orecchioni, C. (2014). Polidez e impolidez nos debates políticos televisivos: o caso dos debates entre dois turnos dos presidentes franceses. In I. R. Seara (Ed.), Cortesia: olhares e (re) invenções (pp. 47-82). Lisboa: Chiado Editora.

Maingueneau, D. (2002). Problème d’ethos. Pratiques, 113-114, 55-57. Retirado de https://www.persee.fr/doc/prati_0338-2389_2002_num_113_1_1945

Montecino, L. (2010). Discurso, pobreza y exclusión en América Latina. Santiago: Ed. Cuarto Propio.

Oliveira, C. R., Peixoto, J. & Góis, P. (2017). A nova crise dos refugiados na Europa: o modelo de repulsão-atração revisitado e os desafios para as políticas migratórias. Revista Brasileira de Estudos de População, 34(1), 73-98.

ONU, Organização das Nações Unidas. (1948). Declaração Universal dos Direitos Humanos. Retirado de https://nacoesunidas.org/wp-content/uploads/2018/10/DUDH.pdf

ONU, Organização das Nações Unidas. (1951). Convenção das Nações Unidas relativa ao estatuto dos refugiados. Retirado de http://www.acnur.org/t3/fileadmin/Documentos/portugues/BDL/Convencao_relativa_ao_Estatuto_dos_Refugiados.pdf

Rodeghiero, C. C. (2012). Violência na internet: um estudo do cyberbulling no Facebook. Dissertação de Mestrado, Universidade Católica de Pelotas, Pelotas, Rio Grande do Sul.

Rosier L. & Ernotte, P. (2000). Le lexique clandestin. Français et Société, 12, 3-23.

Sande, P. (s. d.). Barbarus ad portas. In Refugiados. Factos e argumentos para desfazer mitos sobre refugiados. Revista da Plataforma de apoio aos Refugiados. Alto Comissariado para as Migrações. Retirado de https://issuu.com/ipav/docs/refugiados

Seara, I. R. & Manole, V. (2016). Insult and the construction of other’s identity: remarks on portuguese political discourse. In R. Săftoiu (Ed.), Revue roumaine de linguistique identities in dialogue/identités dans le dialogue (LXI) (pp. 301-318). Bucareste: Editura Academiei Romane.

Terkourafi, M. (2008). Toward a unified theory of politeness, impoliteness and rudeness. In D. Bousfield & M. A. Locher (Eds.), Impoliteness in language (pp.45-74). Berlim, Nova Iorque: Mouton de Gruyter.

Triandaflyllidou, A. (2017). Beyond irregular migration governance: zooming in on migrants agency. European Journal of Migration and Law, 9, 1-11.

van Dijk, T. (2008). Discurso e poder. São Paulo: Contexto.

van Dijk, T. A. (1998). Ideology. A multidisciplinary approach. Londres: Sage.

van Dijk, T. A. (2005). Racism and discorse in Spain and Latin America. Amsterdão: John Benjamins.

Publicado

2020-12-23

Como Citar

Seara, I. R., & Cabral, A. L. T. (2020). Barbarus ad portas: a agressividade verbal em comentários na rede social Facebook. Comunicação E Sociedade, 38, 139-160. https://doi.org/10.17231/comsoc.38(2020).2588