Quantas nações somos capazes de imaginar?

Autores

  • Catarina Laranjeiro Centro de Estudos Sociais, Universidade de Coimbra, Portugal

DOI:

https://doi.org/10.17231/comsoc.29(2016).2410

Palavras-chave:

Cinema, propaganda, Guiné-Bissau, luta de libertação, estado nação

Resumo

Quem canta hoje o Estado-nação na Guiné-Bissau? Vou procurar responder a esta e a outras perguntas que emergirão ao longo do presente artigo, colocando em diálogo dois filmes. O primeiro é En Nations Födelse (O Nascimento de uma Nação) e foi realizado por Lennart Malmer e Ingela Romare na Guiné-Bissau. O segundo é uma sequência de bobine, um fragmento de filme que regista a Marcha da Juventude na República Democrática Alemã, onde várias nações que ainda não existem no plano político procuram afirmar-se no plano simbólico. Este último foi filmado pelo realizador guineense Sana N’Hada em Berlim. Se o primeiro é uma criação de dois estrangeiros que se empenharam na luta de libertação na Guiné-Bissau, o segundo é de autoria de um realizador guineense que se encontrava a representar o seu país em vias de existir na Alemanha Oriental. Ambos os filmes procuram ativar mecanismos para a construção da Guiné-Bissau enquanto Estado-nação, partilhando repercussões ideológicas. Não os tomo como imagens sobre o passado, mas antes como um futuro projetado num passado idealizado. Uma espécie de futuro que se conjuga no pretérito imperfeito.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia Autor

Catarina Laranjeiro, Centro de Estudos Sociais, Universidade de Coimbra, Portugal

Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra

Downloads

Publicado

2016-06-27

Como Citar

Laranjeiro, C. (2016). Quantas nações somos capazes de imaginar?. Comunicação E Sociedade, 29, 79–92. https://doi.org/10.17231/comsoc.29(2016).2410