Ruídos do fotográfico no imaginário digital

  • Victor Manuel Esteves Flores Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, Escola de Comunicação, Artes e Tecnologias de Informação
Palavras-chave: Imagem digital, ruído fotográfico, confiança, remediação

Resumo

Este ensaio debruça-se sobre a cultura do fotográfico que as imagens técnicas vieram desenvolver, visando, em particular, o modo influente pelo qual essa cultura criou fortes paradoxos na actual evolução da imagem digital. Um desses paradoxos mais “visíveis” prende-se com a convocação por parte das actuais práticas da imagem digital de ruídos e distorções visuais próprios ao regime visual anterior, o analógico. Este facto, que muito nos diz sobre a actual cultura visual, deve antes de mais permitir-nos questionar sobre o peso que a qualidade da imagem (ou seja, a sua nitidez e definição) teve na emergência e aceitação social de cada novo medium visual. Em segundo lugar, irá permitir-nos avaliar o peso dos ruídos visuais na cultura do fotográfico, assim como na sua respectiva incorporação pela cultura digital e pelas suas diferentes interfaces. Tal como sucedeu no projecto visual moderno, os ideais de semelhança, transparência e nitidez convivem hoje tranquilamente com ruídos próprios ao “fotográfico”, dando conta de como uma cultura visual das lentes continua a interferir no actual imaginário digital, e, desta vez, não por razões técnicas mas sim retóricas.

Downloads

Dados de Download não estão ainda disponíveis.
Publicado
2012-10-30
Como Citar
Flores, V. M. E. (2012). Ruídos do fotográfico no imaginário digital. Comunicação E Sociedade, 17, 17-30. https://doi.org/10.17231/comsoc.17(2010).1009
Secção
Ecrãs e Ligações Sociotécnicas