O Ciberespaço Como Denúncia: Assédio e Discriminação Vinculados à Colonialidade no Projeto Brasileiras Não Se Calam

Autores

DOI:

https://doi.org/10.17231/comsoc.41(2022).3697

Palavras-chave:

ciberativismo, imigração, xenofobia, Brasileiras Não Se Calam, ciberfeminismo

Resumo

O estereótipo da mulher latina é comummente associado à sexualidade. Dentre elas, as mulheres brasileiras parecem carregar ainda mais este estigma mundo fora. Enquanto imigrantes, interseccionadas por outras matrizes de opressão além de género e raça, por exemplo, estas mulheres veem-se sujeitas a diversas marcas ainda remanescentes da colonialidade eurocêntrica que as inferioriza e silencia (Mignolo, 2000/2003), o que é agravado quando o país de emigração é o seu colonizador. Este artigo explora a utilização do ciberespaço como campo de denúncia e ativismo feminista através do estudo de caso do perfil @brasileirasnaosecalam, a partir da análise de conteúdo. O projeto surge na rede social digital Instagram com o intuito de denunciar, de maneira anónima, assédios, discriminações e preconceitos que mulheres imigrantes brasileiras sofrem em Portugal, especificamente por carregarem consigo a sua própria nacionalidade. Assim, através do ciberativismo, também feminista, as mulheres dispõem de um novo ciclo político de oportunidades impulsionadas pela construção e consolidação de laços entre elas ao redor do globo, rompendo binarismos, também entre primeiro e terceiro mundo, num apelo à articulação entre fronteiras (Timeto, 2019). Constata-se a relevância de empreender uma visão ontológica que se apoie numa perspetiva feminista decolonial e interseccional que utiliza o ciberfeminismo como aliado de interconexão entre o espaço digital e o real.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografias Autor

Camila Lamartine, Instituto de Comunicação da NOVA, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa, Lisboa, Portugal

Camila Lamartine é doutoranda na Universidade Nova de Lisboa. Investiga sobre estudos feministas e de género, ciberativismo e culturas digitais. Trabalha como jornalista, é integrante do Instituto de Comunicação da Nova e diretora de comunicação do grupo de pesquisa Gênero e Justiça – Perspectivas Interdisciplinares (Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa). É membro da Associação Portuguesa de Ciências da Comunicação.

Marisa Torres da Silva, Instituto de Comunicação da NOVA, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa, Lisboa, Portugal

Marisa Torres da Silva é professora auxiliar do Departamento de Ciências da Comunicação da Nova (Faculdade de Ciências Sociais e Humanas). É investigadora do Instituto de Comunicação da Nova, diretora da revista Media & Jornalismo e coordenadora adjunta do grupo de trabalho Públicos e Audiências da Associação Portuguesa de Ciências da Comunicação. Para mais informações, consultar o ciência ID E811-91FA-DC5E.

Referências

Ballestrin, L. (2013). América Latina e o giro decolonial. Revista Brasileira de Ciência Política, (11), 89–117. https://periodicos.unb.br/index.php/rbcp/article/view/2069

Bardin, L. (2004). Análise de conteúdo (L.A. Reto & A. Pinheiro, Trad.; 3.ª ed.). Edições 70. (Trabalho original publicado em 1977)

Brasileiras não se calam [@brasileirasnaosecalam]. (2021a, 23 de julho). Bandeira do Brasil. Nojo [Fotografia]. Instagram. https://www.instagram.com/p/CRq9TauJh9V/

Brasileiras não se calam [@brasileirasnaosecalam]. (2021b, 28 de julho). Bandeira do Brasil. Agora, além dos maridos, também roubamos os filhos [Fotografia]. Instagram. https://www.instagram.com/p/CR4p6PypfdI/

Brasileiras não se calam [@brasileirasnaosecalam]. (2021c, 31 de julho). Bandeira do Brasil. Quem mais se sente assim? Comentem aí [Fotografia]. Instagram. https://www.instagram.com/p/CR_iQUJDWM3/

Brasileiras não se calam [@brasileirasnaosecalam]. (2021d, 1 de agosto). Bandeira do Brasil. 9 anos. Muita força pra nós. [Fotografia]. Instagram. https://www.instagram.com/p/CSCGJsFDMgx/

Brasileiras não se calam [@brasileirasnaosecalam]. (2021e, 20 de agosto). Bandeira do Brasil. Nojo [Fotografia]. Instagram. https://www.instagram.com/p/CSz9YNlDPNf/

Brasileiras não se calam [@brasileirasnaosecalam]. (2021f, 1 de setembro). Bandeira do Brasil. São professores… podem não gostar do fato de você ser brasileira??? [Fotografia]. Instagram. https://www.instagram.com/p/CTSBf4lDbr3/

Brasileiras não se calam [@brasileirasnaosecalam]. (2021g, 29 de outubro). Bandeira do Brasil. Muita força pra gente! [Fotografia]. Instagram. https://www.instagram.com/p/CVnXhXmpGFm/

Brasileiras não se calam [@brasileirasnaosecalam]. (2021h, 11 de novembro). Bandeira do Brasil. Até quando? [Fotografia]. Instagram. https://www.instagram.com/p/CWI7UmVDVPf/

Carvalho, A. F., & Fernandes, E. (2016). Processos de discriminação de profissionais imigrantes e qualificadas em contextos laborais tipicamente masculinos. ex æquo, (33), 117–132. https://doi.org/10.22355/exaequo.2016.33.08

Castells, M. (2013). Redes de indignação e esperança: Movimentos sociais na era da internet (C. A. Medeiros, Trad.). Zahar. (Trabalho original publicado em 2012)

Chamberlain, P. (2017). The feminist fourth wave affective temporality. Palgrave Macmillan.

Cho, S., Crenshaw, K., & McCall, L. (2013). Toward a field of intersectionality studies: Theory, applications, and praxis. Signs: Journal of Women in Culture and Society, 38, 785–810. https://doi.org/10.1086/669608

Cochrane, K. (2013). All the rebel women: The rise of the fourth wave of feminism. Guardian Books.

Collins, P. H. (2017). Se perdeu na tradução? Feminismo negro, interseccionalidade, e política emancipatória. Dossiê Parágrafo, 5(1), 7–17. https://revistaseletronicas.fiamfaam.br/index.php/recicofi/article/view/559

Correia, J. C. (2014). Dez anos depois de Bragança, a representação da mulher brasileira nos media. Verso e Reverso, 28(69), 186–192. https://doi.org/10.4013/ver.2014.28.69.04

Costa, R. N. (2020, 18 de agosto). Elas são brasileiras e “não se calam” mais perante a discriminação e o assédio. Jornal de Notícias. https://jn.pt/nacional/elas-sao-brasileiras-e-nao-se-calam-mais-perante-a-discriminacao-e-o-assedio-12530624.html

Dias, M. J. S., & Ramos, M. N. (2019). Mulheres brasileiras em Portugal e violência de gênero: Desafios migratórios em contexto internacional. In H. Pina & F. Martins (Eds.), The overarching issues of the European space: A strategic (re)positioning of environmental and socio- cultural problems? (pp. 197–208). Faculdade de Letras, Universidade do Porto. http://hdl.handle.net/10400.2/8408

European Social Survey. (n.d.). Portugal • documents and data files. Retirado a 12 de novembro, 2021, de https://www.europeansocialsurvey.org/data/country.html?c=portugal

Fanon, F. (1986). Black skin, white masks. Pluto Press. (Trabalho original publicado em 1952)

Ferreira, G., & Lima, J. (2020) Ciberfeminismo: Feministas tecem uma nova rede. Diversitas Journal, 5(3), 2263–2296. https://doi.org/10.17648/diversitas-journal-v5i3-1209

França, T., & Padilla, B. (2018). Imigração brasileira para Portugal: Entre o surgimento e a construção mediática de uma nova vaga. Cadernos de Estudos Sociais, 33(2), 1–30. https://doi.org/10.33148/CES2595-4091v.33n.220181773

Gomes, M. S. (2018). Gênero, colonialidade e migrações: Uma análise de discursos institucionais sobre a “brasileira imigrante” em Portugal. Política & Sociedade, 17(38), 404–439. https://doi.org/10.5007/2175-7984.2018v17n38p404

Gomes, M. S. (2019). Dos museus dos descobrimentos às exposições do império: O corpo colonial em Portugal. Revista Estudos Feministas, 27(3), 1–15. https://doi.org/10.1590/1806-9584-2019v27n357903

Haraway, D. (1991). Simians, cyborgs and women. The reinvention of nature. Free Association Books.

Jerónimo, P. (2019). Feminização das migrações internacionais e confluência de fatores de vulnerabilidade na condição das mulheres migrantes. In P. Jerónimo (Ed.), Igualdade de género: Velhos e novos desafios (pp. 37-62). Centro de Investigação Interdisciplinar (DH-CII).

Lamartine, C. (2021). “Nem tudo tem de ficar entre 4 paredes”: Ciberfeminismo e violência doméstica em tempos de pandemia. Revista Comunicando, 10(1), 2–39. https://revistas.sopcom.pt/index.php/comunicando/article/view/28

Lemos, M. (2009). Ciberfeminismo: Novos discursos do feminino em redes eletrônicas [Dissertação de mestrado, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo]. Repositório PUCSP. https://repositorio.pucsp.br/jspui/handle/handle/5260

Lugones, M. (2008). Colonialidad y género. Tabula Rasa, (9), 73–101. https://revistas.unicolmayor.edu.co/index.php/tabularasa/article/view/1501

Machado, R., Reis, S., Esteves, S., Sousa, P., & Rosa, A. P. (2020). Relatório de imigração, fronteiras e asilo. Serviço de Estrangeiros e Fronteiras. https://sefstat.sef.pt/Docs/Rifa2019.pdf

Martinez, F. (2019). Feminismos em movimento no ciberespaço. Cadernos Pagu, (56), 1–34. https://doi.org/10.1590/18094449201900560012

Martino, L. (2014). Teoria das mídias digitais: Linguagens, ambientes, redes. Vozes.

Mendoza, B. (2016). Coloniality of gender and power: From postcoloniality to decoloniality. In L. Dish & M. Hawkesworth (Eds.), The Oxford handbook of feminist theory (pp. 100–121). Oxford University Press.

Mignolo, W. (2003). Histórias locais/projetos globais: Colonialidade, saberes subalternos e pensamento liminar (S. R. Oliveira, Trad.). Editora UFMG. (Trabalho original publicado em 2000)

Mingas, E. (2020). A construção do outro na opinião pública: Representações contemporâneas do Brasil e dos brasileiros na sociedade portuguesa [Tese de doutoramento, Universidade Nova de Lisboa]. Run – Repositório Universidade Nova. https://run.unl.pt/handle/10362/95431

Miñoso, Y. E. (2020). Sobre por que é necessário um feminismo decolonial: Diferenciação, dominação coconstitutiva da modernidade ocidental. MASP Afterall, (8), 1–12.

Oliveira, E. N., & Neto, F. F. M. (2016). Redes sociais: Grupo para imigrantes brasileiras em Portugal. Caderno Espaço Feminino, 29(2), 304–328. https://doi.org/10.14393/CEF-v29n2-2016-21

Padilla, B., & Gomes, M. S. (2016). Empoderamento, interseccionalidade e ciberativismo: Uma análise do “Manifesto Contra o Preconceito às Mulheres Brasileiras em Portugal”. TOMO, (28), 169–201. https://doi.org/10.21669/tomo.v0i0.5425

Passador, L. H. (2015). Especialização em gênero e diversidade na escola: Módulo 1 –Diversidade. COMFOR; UNIFESP. http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/39166

Piscitelli, A. (2008). Interseccionalidades, categorias de articulação e experiências de migrantes brasileiras. Sociedade e Cultura, 11(2), 263–274. https://doi.org/10.5216/sec.v11i2.5247

Pontes, L. (2004). Mulheres brasileiras na mídia portuguesa. Cadernos Pagu, (23), 229–256. https://doi.org/10.1590/S0104-83332004000200008

Queiroz, C. C., Cabecinhas, R., & Cerqueira, C. (2020). Migração feminina brasileira e a experiência do envelhecimento em Portugal: Sexismo e outros “ismos”. Equatorial – Revista do Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, 7(12), 1–23. https://doi.org/10.21680/2446-5674.2020v7n12ID17914

Ripley, A. (2003, 12 de outubro). When the meninas came to town. Times, 162(15). http://content.time.com/time/subscriber/article/0,33009,517712-1,00.html

Silva, M. T. (2019). Fact sheet: Portugal. Country report on media and migration. https://newneighbours.eu/wp-content/uploads/2019/09/NN_Factsheet_Portugal.pdf

Timeto, F. (2019). Por uma teoria do ciberfeminismo hoje: Da utopia tecnocientífica à crítica situada do ciberespaço. Revista de Artes Visuais, 24(40), 1–26. https://doi.org/10/22456/2179-8001.95974

Tomazetti, T. P. (2015). O feminismo na era digital e a (re)configuração de um contexto comunicativo para políticas de gênero. Razón y Palabra, 19(2_90), 488–500. https://www.revistarazonypalabra.org/index.php/ryp/article/view/334

Publicado

2022-06-22

Como Citar

Lamartine, C., & Silva, M. T. da. (2022). O Ciberespaço Como Denúncia: Assédio e Discriminação Vinculados à Colonialidade no Projeto Brasileiras Não Se Calam. Comunicação E Sociedade, 41, 209–229. https://doi.org/10.17231/comsoc.41(2022).3697