O Ciberespaço Como Denúncia: Assédio e Discriminação Vinculados à Colonialidade no Projeto Brasileiras Não Se Calam

Autores

DOI:

https://doi.org/10.17231/comsoc.41(2022).3697

Palavras-chave:

ciberativismo, imigração, xenofobia, Brasileiras Não Se Calam, ciberfeminismo

Resumo

O estereótipo da mulher latina é comummente associado à sexualidade. Dentre elas, as mulheres brasileiras parecem carregar ainda mais este estigma mundo fora. Enquanto imigrantes, interseccionadas por outras matrizes de opressão além de género e raça, por exemplo, estas mulheres veem-se sujeitas a diversas marcas ainda remanescentes da colonialidade eurocêntrica que as inferioriza e silencia (Mignolo, 2000/2003), o que é agravado quando o país de emigração é o seu colonizador. Este artigo explora a utilização do ciberespaço como campo de denúncia e ativismo feminista através do estudo de caso do perfil @brasileirasnaosecalam, a partir da análise de conteúdo. O projeto surge na rede social digital Instagram com o intuito de denunciar, de maneira anónima, assédios, discriminações e preconceitos que mulheres imigrantes brasileiras sofrem em Portugal, especificamente por carregarem consigo a sua própria nacionalidade. Assim, através do ciberativismo, também feminista, as mulheres dispõem de um novo ciclo político de oportunidades impulsionadas pela construção e consolidação de laços entre elas ao redor do globo, rompendo binarismos, também entre primeiro e terceiro mundo, num apelo à articulação entre fronteiras (Timeto, 2019). Constata-se a relevância de empreender uma visão ontológica que se apoie numa perspetiva feminista decolonial e interseccional que utiliza o ciberfeminismo como aliado de interconexão entre o espaço digital e o real.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografias Autor

Camila Lamartine, Instituto de Comunicação da NOVA, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa, Lisboa, Portugal

Camila Lamartine é doutoranda na Universidade Nova de Lisboa. Investiga sobre estudos feministas e de género, ciberativismo e culturas digitais. Trabalha como jornalista, é integrante do Instituto de Comunicação da Nova e diretora de comunicação do grupo de pesquisa Gênero e Justiça – Perspectivas Interdisciplinares (Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa). É membro da Associação Portuguesa de Ciências da Comunicação.

Marisa Torres da Silva, Instituto de Comunicação da NOVA, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa, Lisboa, Portugal

Marisa Torres da Silva é professora auxiliar do Departamento de Ciências da Comunicação da Nova (Faculdade de Ciências Sociais e Humanas). É investigadora do Instituto de Comunicação da Nova, diretora da revista Media & Jornalismo e coordenadora adjunta do grupo de trabalho Públicos e Audiências da Associação Portuguesa de Ciências da Comunicação. Para mais informações, consultar o ciência ID E811-91FA-DC5E.

Referências

Ballestrin, L. (2013). América Latina e o giro decolonial. Revista Brasileira de Ciência Política, (11), 89–117. https://periodicos.unb.br/index.php/rbcp/article/view/2069 DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-33522013000200004

Bardin, L. (2004). Análise de conteúdo (L.A. Reto & A. Pinheiro, Trad.; 3.ª ed.). Edições 70. (Trabalho original publicado em 1977)

Brasileiras não se calam [@brasileirasnaosecalam]. (2021a, 23 de julho). Bandeira do Brasil. Nojo [Fotografia]. Instagram. https://www.instagram.com/p/CRq9TauJh9V/

Brasileiras não se calam [@brasileirasnaosecalam]. (2021b, 28 de julho). Bandeira do Brasil. Agora, além dos maridos, também roubamos os filhos [Fotografia]. Instagram. https://www.instagram.com/p/CR4p6PypfdI/

Brasileiras não se calam [@brasileirasnaosecalam]. (2021c, 31 de julho). Bandeira do Brasil. Quem mais se sente assim? Comentem aí [Fotografia]. Instagram. https://www.instagram.com/p/CR_iQUJDWM3/

Brasileiras não se calam [@brasileirasnaosecalam]. (2021d, 1 de agosto). Bandeira do Brasil. 9 anos. Muita força pra nós. [Fotografia]. Instagram. https://www.instagram.com/p/CSCGJsFDMgx/

Brasileiras não se calam [@brasileirasnaosecalam]. (2021e, 20 de agosto). Bandeira do Brasil. Nojo [Fotografia]. Instagram. https://www.instagram.com/p/CSz9YNlDPNf/

Brasileiras não se calam [@brasileirasnaosecalam]. (2021f, 1 de setembro). Bandeira do Brasil. São professores… podem não gostar do fato de você ser brasileira??? [Fotografia]. Instagram. https://www.instagram.com/p/CTSBf4lDbr3/

Brasileiras não se calam [@brasileirasnaosecalam]. (2021g, 29 de outubro). Bandeira do Brasil. Muita força pra gente! [Fotografia]. Instagram. https://www.instagram.com/p/CVnXhXmpGFm/

Brasileiras não se calam [@brasileirasnaosecalam]. (2021h, 11 de novembro). Bandeira do Brasil. Até quando? [Fotografia]. Instagram. https://www.instagram.com/p/CWI7UmVDVPf/

Carvalho, A. F., & Fernandes, E. (2016). Processos de discriminação de profissionais imigrantes e qualificadas em contextos laborais tipicamente masculinos. ex æquo, (33), 117–132. https://doi.org/10.22355/exaequo.2016.33.08 DOI: https://doi.org/10.22355/exaequo.2016.33.08

Castells, M. (2013). Redes de indignação e esperança: Movimentos sociais na era da internet (C. A. Medeiros, Trad.). Zahar. (Trabalho original publicado em 2012)

Chamberlain, P. (2017). The feminist fourth wave affective temporality. Palgrave Macmillan. DOI: https://doi.org/10.1007/978-3-319-53682-8

Cho, S., Crenshaw, K., & McCall, L. (2013). Toward a field of intersectionality studies: Theory, applications, and praxis. Signs: Journal of Women in Culture and Society, 38, 785–810. https://doi.org/10.1086/669608 DOI: https://doi.org/10.1086/669608

Cochrane, K. (2013). All the rebel women: The rise of the fourth wave of feminism. Guardian Books.

Collins, P. H. (2017). Se perdeu na tradução? Feminismo negro, interseccionalidade, e política emancipatória. Dossiê Parágrafo, 5(1), 7–17. https://revistaseletronicas.fiamfaam.br/index.php/recicofi/article/view/559

Correia, J. C. (2014). Dez anos depois de Bragança, a representação da mulher brasileira nos media. Verso e Reverso, 28(69), 186–192. https://doi.org/10.4013/ver.2014.28.69.04 DOI: https://doi.org/10.4013/ver.2014.28.69.04

Costa, R. N. (2020, 18 de agosto). Elas são brasileiras e “não se calam” mais perante a discriminação e o assédio. Jornal de Notícias. https://jn.pt/nacional/elas-sao-brasileiras-e-nao-se-calam-mais-perante-a-discriminacao-e-o-assedio-12530624.html

Dias, M. J. S., & Ramos, M. N. (2019). Mulheres brasileiras em Portugal e violência de gênero: Desafios migratórios em contexto internacional. In H. Pina & F. Martins (Eds.), The overarching issues of the European space: A strategic (re)positioning of environmental and socio- cultural problems? (pp. 197–208). Faculdade de Letras, Universidade do Porto. http://hdl.handle.net/10400.2/8408 DOI: https://doi.org/10.21747/9789898969149/mulh

European Social Survey. (n.d.). Portugal • documents and data files. Retirado a 12 de novembro, 2021, de https://www.europeansocialsurvey.org/data/country.html?c=portugal

Fanon, F. (1986). Black skin, white masks. Pluto Press. (Trabalho original publicado em 1952)

Ferreira, G., & Lima, J. (2020) Ciberfeminismo: Feministas tecem uma nova rede. Diversitas Journal, 5(3), 2263–2296. https://doi.org/10.17648/diversitas-journal-v5i3-1209 DOI: https://doi.org/10.17648/diversitas-journal-v5i3-1209

França, T., & Padilla, B. (2018). Imigração brasileira para Portugal: Entre o surgimento e a construção mediática de uma nova vaga. Cadernos de Estudos Sociais, 33(2), 1–30. https://doi.org/10.33148/CES2595-4091v.33n.220181773 DOI: https://doi.org/10.33148/CES2595-4091v.33n.220181773

Gomes, M. S. (2018). Gênero, colonialidade e migrações: Uma análise de discursos institucionais sobre a “brasileira imigrante” em Portugal. Política & Sociedade, 17(38), 404–439. https://doi.org/10.5007/2175-7984.2018v17n38p404 DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7984.2018v17n38p404

Gomes, M. S. (2019). Dos museus dos descobrimentos às exposições do império: O corpo colonial em Portugal. Revista Estudos Feministas, 27(3), 1–15. https://doi.org/10.1590/1806-9584-2019v27n357903 DOI: https://doi.org/10.1590/1806-9584-2019v27n357903

Haraway, D. (1991). Simians, cyborgs and women. The reinvention of nature. Free Association Books.

Jerónimo, P. (2019). Feminização das migrações internacionais e confluência de fatores de vulnerabilidade na condição das mulheres migrantes. In P. Jerónimo (Ed.), Igualdade de género: Velhos e novos desafios (pp. 37-62). Centro de Investigação Interdisciplinar (DH-CII).

Lamartine, C. (2021). “Nem tudo tem de ficar entre 4 paredes”: Ciberfeminismo e violência doméstica em tempos de pandemia. Revista Comunicando, 10(1), 2–39. https://revistas.sopcom.pt/index.php/comunicando/article/view/28

Lemos, M. (2009). Ciberfeminismo: Novos discursos do feminino em redes eletrônicas [Dissertação de mestrado, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo]. Repositório PUCSP. https://repositorio.pucsp.br/jspui/handle/handle/5260

Lugones, M. (2008). Colonialidad y género. Tabula Rasa, (9), 73–101. https://revistas.unicolmayor.edu.co/index.php/tabularasa/article/view/1501 DOI: https://doi.org/10.25058/20112742.340

Machado, R., Reis, S., Esteves, S., Sousa, P., & Rosa, A. P. (2020). Relatório de imigração, fronteiras e asilo. Serviço de Estrangeiros e Fronteiras. https://sefstat.sef.pt/Docs/Rifa2019.pdf

Martinez, F. (2019). Feminismos em movimento no ciberespaço. Cadernos Pagu, (56), 1–34. https://doi.org/10.1590/18094449201900560012 DOI: https://doi.org/10.1590/18094449201900560012

Martino, L. (2014). Teoria das mídias digitais: Linguagens, ambientes, redes. Vozes.

Mendoza, B. (2016). Coloniality of gender and power: From postcoloniality to decoloniality. In L. Dish & M. Hawkesworth (Eds.), The Oxford handbook of feminist theory (pp. 100–121). Oxford University Press. DOI: https://doi.org/10.1093/oxfordhb/9780199328581.013.6

Mignolo, W. (2003). Histórias locais/projetos globais: Colonialidade, saberes subalternos e pensamento liminar (S. R. Oliveira, Trad.). Editora UFMG. (Trabalho original publicado em 2000)

Mingas, E. (2020). A construção do outro na opinião pública: Representações contemporâneas do Brasil e dos brasileiros na sociedade portuguesa [Tese de doutoramento, Universidade Nova de Lisboa]. Run – Repositório Universidade Nova. https://run.unl.pt/handle/10362/95431

Miñoso, Y. E. (2020). Sobre por que é necessário um feminismo decolonial: Diferenciação, dominação coconstitutiva da modernidade ocidental. MASP Afterall, (8), 1–12.

Oliveira, E. N., & Neto, F. F. M. (2016). Redes sociais: Grupo para imigrantes brasileiras em Portugal. Caderno Espaço Feminino, 29(2), 304–328. https://doi.org/10.14393/CEF-v29n2-2016-21 DOI: https://doi.org/10.14393/CEF-v29n2-2016-21

Padilla, B., & Gomes, M. S. (2016). Empoderamento, interseccionalidade e ciberativismo: Uma análise do “Manifesto Contra o Preconceito às Mulheres Brasileiras em Portugal”. TOMO, (28), 169–201. https://doi.org/10.21669/tomo.v0i0.5425 DOI: https://doi.org/10.21669/tomo.v0i0.5425

Passador, L. H. (2015). Especialização em gênero e diversidade na escola: Módulo 1 –Diversidade. COMFOR; UNIFESP. http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/39166

Piscitelli, A. (2008). Interseccionalidades, categorias de articulação e experiências de migrantes brasileiras. Sociedade e Cultura, 11(2), 263–274. https://doi.org/10.5216/sec.v11i2.5247 DOI: https://doi.org/10.5216/sec.v11i2.5247

Pontes, L. (2004). Mulheres brasileiras na mídia portuguesa. Cadernos Pagu, (23), 229–256. https://doi.org/10.1590/S0104-83332004000200008 DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-83332004000200008

Queiroz, C. C., Cabecinhas, R., & Cerqueira, C. (2020). Migração feminina brasileira e a experiência do envelhecimento em Portugal: Sexismo e outros “ismos”. Equatorial – Revista do Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, 7(12), 1–23. https://doi.org/10.21680/2446-5674.2020v7n12ID17914 DOI: https://doi.org/10.21680/2446-5674.2020v7n12ID17914

Ripley, A. (2003, 12 de outubro). When the meninas came to town. Times, 162(15). http://content.time.com/time/subscriber/article/0,33009,517712-1,00.html

Silva, M. T. (2019). Fact sheet: Portugal. Country report on media and migration. https://newneighbours.eu/wp-content/uploads/2019/09/NN_Factsheet_Portugal.pdf

Timeto, F. (2019). Por uma teoria do ciberfeminismo hoje: Da utopia tecnocientífica à crítica situada do ciberespaço. Revista de Artes Visuais, 24(40), 1–26. https://doi.org/10/22456/2179-8001.95974 DOI: https://doi.org/10.22456/2179-8001.95974

Tomazetti, T. P. (2015). O feminismo na era digital e a (re)configuração de um contexto comunicativo para políticas de gênero. Razón y Palabra, 19(2_90), 488–500. https://www.revistarazonypalabra.org/index.php/ryp/article/view/334

Publicado

2022-06-22

Como Citar

Lamartine, C., & Silva, M. T. da. (2022). O Ciberespaço Como Denúncia: Assédio e Discriminação Vinculados à Colonialidade no Projeto Brasileiras Não Se Calam. Comunicação E Sociedade, 41, 209–229. https://doi.org/10.17231/comsoc.41(2022).3697