Análise sociológica do capital digital dos professores montenegrinos

Palavras-chave: capital digital, competências digitais, literacia mediática, Montenegro, professores

Resumo

Partindo do conceito de capital digital nas Ciências Sociais, este artigo apresenta as principais conclusões do inquérito nacionalmente representativo do “Global Kids Online” sobre as competências e práticas digitais de professores do ensino básico e secundário, realizado em Montenegro com o apoio da Unicef, em 2018. O capital digital, como qualquer outra forma de capital na perspetiva de Bourdieu, apenas tem validade sociológica em correlação com outras formas de capital, como a económica, cultural e social, num contexto limitado e de acordo com uma abordagem multidimensional que vai de uma perspetiva macro a uma microssocial (Pandolfini, 2016). Este artigo identifica e discute três perspetivas do capital digital – macro, meso e micro social – e os seus recursos materiais (tecnologias, serviços digitais e experiências escolares com dispositivos) e não materiais (competências digitais). A análise dos dados do estudo montenegrino, de acordo com esta perspetiva, mostra que a prática diária de utilização da tecnologia digital nas salas de aula parece ser marginal, embora a maioria dos professores tenha acesso à internet nas escolas. Atualmente, a maioria dos professores utiliza a internet na escola principalmente para verificar informação online. Geralmente, as suas competências digitais não são avançadas: em média, as competências sociais e operacionais são as mais desenvolvidas, enquanto as competências criativas estão menos desenvolvidas. Portanto, para apoiar o desenvolvimento da literacia mediática nas crianças através da educação formal, é necessário realizar mais investimentos para reforçar as competências digitais dos professores. O estudo mostra ainda que a procura por cursos de pedagogia digital já existe entre a maioria dos professores. Por outras palavras, o estudo montenegrino aponta para a necessidade de investir mais na educação e na experimentação associadas às perspetivas meso e microssocial do capital digital.

Downloads

Dados de Download não estão ainda disponíveis.

Referências

Bourdieu, P. (1986). The forms of capital. In J. Richardson (Ed.), Handbook of theory and research for the Sociology of Education (pp. 241-258). Nova Iorque: Greenwood.

Capogna, S., Cocozza, A. & Cianfriglia, L. (Eds.) (2016). Le sfide della scuola nell’era digitale. Una ricerca sociologica sulle competenze digitali dei docenti. Roma: Eurolink.

Carretero, S., Vuorikari, R. & Punie, Y. (2017). The digital competence framework for citizens (Digcomp 2.1) with eight proficiency levels and examples of use. Luxemburgo: Publications Office of the European Union

Cortoni, I. (no prelo). Le competenze digitali nella scuola. Un’indaginedell’osservatorio Mediamonitor minori della Sapienza. Roma: Carocci.

Cortoni, I. & Lo Presti, V. (2018). Digital literacy e capitale sociale. Una metodologia specifica per la valutazione delle competenze. Milão: FrancoAngeli.

Ferrari, A. (2013). Digital competence in practice: analysis of framework. Bruxelas: JRC European Commission.

Ferrari, L. (2017). Il digitale a scuola. Per una implementazione sostenibile. Milão: FrancoAngeli.

Giancola, O. & Viteritti, A. (2019). Le competenze nello spazio globale dell’educazione. Scuola Democratica, 1, 11-40.

Grizzle, A., Moore, P., Dezuanni, M., Asthana, S., Wilson, C., Banda, F. & Onumah, C. (2013). Media and information literacy. Policy and strategy. Paris: Unesco.

Landri, P. & Viteritti, A. (2016). Introduzione. Le masse mancanti in educazione. Scuola democratica, Learning for Democracy 1, 7-22.

Magaudda, P. (2014). Bourdieu in digitale. Capitale, distinzione e habitus all’epoca dei nuovi media. In De Feo, A. & Pitzalis M. (Eds.), Produzione, riproduzione e distinzione. Studiare il mondo sociale con (e dopo) Bourdieu (pp. 1326-1589). Nápoles: CUEC.

McDougall, J., Zezulkova, M., van Driel, B. & Sternadel, D. (2018). Teaching media literacy in Europe: evidence of effective school practices in primary and secondary education, analytical report. Luxemburgo: Publications Office of the European Union.

Nussbaum, M. (2010). Not for profit. Why the democracy needs the humanities. Princeton: Princeton University Press

OCDE. (2010). Inspired by technology, driven by pedagogy. A systematic approach to technology-based school innovations. Paris: OCDE.

Paino, M. & Renzulli, L. A. (2012). Digital dimension of cultural capital: the (in)visible advantages for students who exhibit computer skills. Sociology of Education, 86, 124-138.

Pandolfini, V. (2016). Exploring the impact of ICTs in Education: controversies and challenges. Italian Journal of Sociology of Education, 8(2), 28-53. https://doi.org/0.14658/pupj-ijse-2016-2-3

Pitzalis, M. (2016). The technological turn: policies of innovation, politics and mobilisation. Italian Journal of Sociology of Education, 8(2), 11-27.

Ragnedda, M. (2018) Conceptualizing digital capital. Telematics and Informatics, 35(8), 2366–2375.

Ragnedda, M., Ruiu, M. L. & Addeo F. (2019). Measuring digital capital: an empirical investigation. New media and Society, 22(5), 793-816. https://doi.org/10.1177/1461444819869604

Recomendação 2018/C 189/01, de 22 de maio, Comissão Europeia.

Redecker, C. & Punie, Y. (2017). European framework for the digital competence of educators: DigCompEdu. Luxemburgo: Publications Office of the European Union.

Selwyn, N. (2011). Schools and schooling in the digital age: a critical analysis. Londres: Routledge.

Unicef Montenegro. (2019). Teachers in Montenegro and the internet – survey. Retirado de https://www.unicef.org/montenegro/en/reports/teachers-montenegro-and-internet-survey

Vuorikari R., Punie Y., Carratero S. & Van den Brande, L. (2016). Digcomp 2.0. The digital competence framework for citizens. Update phase 1: the conceptual reference model. Luxemburgo: Publication Office of the European Union. https://doi.org/10.2791/11517

Publicado
2020-06-29
Como Citar
Cortoni, I., & Perovic, J. (2020). Análise sociológica do capital digital dos professores montenegrinos. Comunicação E Sociedade, 37, 169-184. https://doi.org/10.17231/comsoc.37(2020).2397