(Des)Colonialidade Linguística e Interculturalidade nas Duas Principais Rotas da Mobilidade Estudantil Brasileira

Autores

DOI:

https://doi.org/10.17231/comsoc.41(2022).3718

Palavras-chave:

mobilidade estudantil, Brasil, Portugal, Estados Unidos, colonialidade linguística, interculturalidade

Resumo

Embora frequentar universidades em Portugal e nos Estados Unidos seja ainda um privilégio para quem vem de famílias brasileiras com elevado capital econômico, políticas para o fomento da internacionalização têm levado, na última década, a uma intensificação e diversificação desses fluxos de mobilidade estudantil. Guiando-nos pelos estudos descoloniais, apresentamos, neste artigo, uma análise da interseccionalidade de raça e domínio de língua inglesa de estudantes de nacionalidade brasileira em Portugal e nos Estados Unidos. Os resultados referem duas investigações empíricas realizadas entre 2013 e 2020, e apontam que estudantes negras/os, participantes do mesmo programa de mobilidade com bolsas de estudo nestes dois países, apresentaram menor proficiência em inglês em comparação com bolsistas brancas/os. Em contrapartida, estudantes de uma elite econômica branca não indicaram a insuficiência no domínio de inglês como fator de decisão pela escolha de Portugal. A nosso ver, essas assimetrias devem ser percebidas e problematizadas a partir da colonialidade no ensino de inglês no Brasil que, no espaço de educação internacional, tem limitado escolhas e (re)produzido desigualdades. Todavia, nos tempos pandêmicos que apressam a transição para a mobilidade virtual, a maior diversidade étnico-racial e amplitude socioeconômica da mobilidade estudantil do Brasil para universidades portuguesas suscita outras e mais aprofundadas reflexões sobre as interações interculturais (presenciais) que resultam desses deslocamentos. As experiências de estudar em Portugal têm sido marcadas por alguns desencontros linguísticos, a exemplo dos imaginários de um subalterno português brasileiro e de um superior português de Portugal. Os constrangimentos que resultam dessas (in)comunicações interculturais entre estudantes do Brasil e de Portugal podem ser explicados, pelo menos em parte, pela reverberação, na contemporaneidade, da colonialidade do ensino da língua portuguesa nos dois países. Vamos argumentar que essas tensões, presentes em espaços acadêmicos da antiga metrópole do Brasil, potencializam o que temos designado de “despertar descolonial”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia Autor

Rovênia Amorim Borges, Programa de Pós-Graduação em Educação, Faculdade de Educação, Universidade de Brasília, Brasília, Brasil

Rovênia Amorim Borges é jornalista, doutorada em ciências da educação, na especialidade sociologia da educação e política educativa (Universidade do Minho). Integra o Grupo de Estudos e Pesquisas em Políticas Públicas, História, Educação das Relações Raciais e de Gênero do Programa de Pós-Graduação em Educação da Faculdade de Educação da Universidade de Brasília. Tem interesse na temática da internacionalização da educação superior com ênfase na mobilidade estudantil. Tem adotado a abordagem metodológica da interseccionalidade de gênero, raça e classe sob a perspectiva crítica da colonialidade/descolonialidade.

Referências

Amorim, J. (2021, 21 de junho). Recorde de alunos estrangeiros no ensino superior. Jornal de Notícias. https://www.jn.pt/nacional/recorde-de-alunos-estrangeiros-no-ensino-superior-13856409.html?target=conteudo_fechado

Borges, R. A. (2015). A interseccionalidade de gênero, raça e classe no Programa Ciência sem Fronteiras: Um estudo sobre estudantes brasileiros com destino aos EUA [Dissertação de mestrado, Universidade de Brasília]. Repositório Institucional da Universidade de Brasília. https://doi.org/10.26512/2015.12.D.20443

Borges, R. A. (2018). Do Brasil aos Estados Unidos: A Barreira do inglês na mobilidade de estudantes. Um estudo sobre identidades e desigualdades refletidas no Programa Ciência sem Fronteiras. Novas Edições Acadêmicas.

Borges, R. A. (2021). Estudantes brasileiros no ensino superior em Portugal: O despertar descolonial na experiência da mobilidade internacional [Tese de doutoramento, Universidade do Minho]. Repositório Institucional da Universidade do Minho. http://hdl.handle.net/1822/73635

Borges, R. A., & Afonso, A. J. (2017). Brasil e Portugal: A mobilidade estudantil no espaço da internacionalização. In G. S. Carvalho & M. d. Dionísio (Eds.), II ENJIE - Encontro Nacional de Jovens Investigadores em Educação (pp. 79–84). Instituto de Educação/Universidade do Minho.

Borges, R. A., & Afonso, A. J. (2018). Why subaltern language? Yes, we speak Portuguese! Para uma crítica da colonialidade da língua na mobilidade estudantil internacional. Comunicação e Sociedade, 34, 59–72. https://doi.org/10.17231/comsoc.34(2018).2935

Borges, R. A., & Garcia-Filice, R. C. (2016). A língua inglesa no Programa Ciência sem Fronteiras: Paradoxos na política de internacionalização. Interfaces Brasil/Canadá, 16(1), 72–101. https://doi.org/10.15210/interfaces.v16i1.7516

Decreto-Lei n.º 36, Diário da República n.º 48/2014, Série I de 2014-03-10 (2014). https://dre.pt/dre/detalhe/decreto-lei/36-2014-572431

De Wit, H., & Altbach, P. G. (2021). Internationalization in higher education: Global trends and recommendations for its future. Policy Reviews in Higher Education, 5(1), 28–46. https://doi.org/10.1080/23322969.2020.1820898

Direção-Geral de Estatísticas da Educação e Ciência. (2019). Perfil do aluno 2017/2018. https://www.dgeec.mec.pt/np4/97/%7B$clientServletPath%7D/?newsId=147&fileName=DGEEC_DSEE_2019_PERFIL_DO_ALUNO_1718.pdf

Diretório dos Índios. (1758). https://www.nacaomestica.org/diretorio_dos_indios.htm

Durães, M. (2021, 5 de maio). Os brasileiros “têm meia língua portuguesa”? Quando as palavras são motivo de discriminação. Público. https://www.publico.pt/2021/05/05/p3/noticia/brasileiros-meia-lingua-portuguesa-palavras-sao-motivo-discriminacao-1961161

Fino, C. A. (2019). Raízes do estranhamento: A (in)comunicação Portugal-Brasil [Tese de doutoramento, Universidade do Minho]. RepositóriUM. http://hdl.handle.net/1822/61810

Fonseca, F. T. (1999). Scientiae thesaurus mirabilis: Estudantes de origem brasileira na Universidade de Coimbra (1601-1850). Revista Portuguesa de História, 2(33), 527–559. https://doi.org/10.14195/0870-4147_33-2_5

Forattini, O. P. (1997). A língua franca da ciência. Revista da Saúde Pública, 31(1), 3–8. https://doi.org/10.1590/S0034-89101997000100002

Gonzalez, L. (2020). A categoria político-cultural de amefricanidade. In F. Rios & M. Lima (Eds.), Por um feminismo afro-latino-americano: Ensaios, intervenções e diálogos (pp. 127–138). Zahar.

Grosfoguel, R. (2008). Para descolonizar os estudos de economia política e os estudos pós-coloniais: Transmodernidade, pensamento de fronteira e colonialidade global. Revista Crítica de Ciências Sociais, 80, 115–147. https://doi.org/10.4000/rccs.697

Grosfoguel, R. (2016a). Caos sistémico, crisis civilizatoria y proyectos descoloniales: Pensar más allá del proceso civilizatorio de la modernidad/colonialidad. Tabula Rasa, 25, 153–174. https://doi.org/10.25058/20112742.79

Grosfoguel, R. (2016b). What is racism? Journal of World-Systems Research, 22(1), 9–15. https://doi.org/10.5195/jwsr.2016.609

Grosfoguel, R., Oso, L., & Christou, A. (2015). ‘Racism’, intersectionality and migration studies: Framing some theoretical reflections. Identities, 22(6), 635–652. https://doi.org/10.1080/1070289X.2014.950974

Haus, C., & Albuquerque, M. L. (2020). Decolonialidade e inglês como língua franca: Diálogos com professores brasileiros. Cadernos do Instituto de Letras, (61), 181–208. https://doi.org/10.22456/2236-6385.103202

Institute of International Education. (2021). The open doors 2021 annual data release. 2021 fact sheet: Brazil [Fact sheet]. https://opendoorsdata.org/fact_sheets/brazil/

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. (2016). Enem em Portugal. Utilização de dados estudantis do Enem para acesso a IES em Portugal. http://inep.gov.br/artigo/-/asset_publisher/B4AQV9zFY7Bv/content/enem-em-portugal/21206

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. (2021, 19 de outubro). Enem Portugal. https://www.gov.br/inep/pt-br/areas-de-atuacao/avaliacao-e-exames-educacionais/enem/enem-portugal

Iorio, J. C., & Fonseca, M. L. (2018). Estudantes brasileiros no ensino superior português: Construção do projeto migratório e intenções de mobilidade futura. Finisterra, 53(109), 3–20. https://doi.org/10.18055/Finis14556

Kim, T. (2009). Transnational academic mobility, internationalization and interculturality in higher education. Intercultural Education, 20(5), 395–405. https://doi.org/10.1080/14675980903371241

Knight, J. (2003). Updating the definition of internationalization. International Higher Education, (33), 2–3. https://doi.org/10.6017/ihe.2003.33.7391

Larson, J. (2018). Other voices: Authors’ literary-academic presence and publication in the discursive world system. Discourse: Studies in the Cultural Politics of Education, 39(4), 521–535. https://doi.org/10.1080/01596306.2016.1278357

Lei n.º 9.394, de 20 de dezembro de 1996, Diário Oficial § 1 (1996). https://legis.senado.leg.br/norma/551270

Lei n.º 11.645, de 10 de março de 2008, Diário Oficial da União § 1 (2008). https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11645.htm

Lei n.º 13.415, de 16 de fevereiro de 2017, Diário Oficial da União § 1 (2017). http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/Lei/L13415.htm

Lutz, H. (2015). Intersectionality as method. DiGeSt Journal of Diversity and Gender Studies, 2(1–2), 39–44. https://doi.org/10.11116/jdivegendstud.2.1-2.0039

Mariani, B. (2004). Colonização linguística. Pontes.

Mata, I. (2019). Epistemologias do “colonial” e da descolonização linguística: Uma reflexão a partir da África. Gragoatá, 24(48), 208–226. https://periodicos.uff.br/gragoata/article/view/33627/19614

Melo, L. A., & Mira, A. P. (2021). O pretuguês em sala de aula: Racismo linguístico e as práticas pedagógicas da(o) docente de língua portuguesa. Inter-Ação, 46(3), 1395–1412. https://doi.org/10.5216/ia.v46i3.67796

Mignolo, W. D. (2003). Os esplendores e as misérias da “ciência”: Colonialidade, geopolítica do conhecimento e pluri-versalidade epistémica. In B. S. Santos (Ed.), Conhecimento prudente para uma vida decente (pp. 631–671). Edições Afrontamento.

Mignolo, W. D. (2017). Colonialidade: O lado mais escuro da modernidade. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 32(94), 1–18. https://doi.org/10.17666/329402/2017

Museu do Índio. (s.d.). Línguas indígenas. Retirado a 18 do março de 2022 de http://prodoclin.museudoindio.gov.br/index.php/conheca-as-linguas-indigenas-no-brasil

Nascimento, G. (2019). Racismo linguístico: Os subterrâneos da linguagem e do racismo. Letramento.

Nogueira, M. A. (2017). Quando a meritocracia se vê ameaçada, o que ocorre com os padrões (históricos) da excelência escolar? In L. L. Torres & J. A. Palhares (Eds.), A excelência académica na escola pública portuguesa (pp. 228–235). Fundação Manoel Leão.

Organisation for Economic Cooperation and Development. (2019). Education at a glance 2019. OECD Indicators. https://doi.org/10.1787/f8d7880d-en

Quijano, A. (2014). Colonialidad del poder y classificación social. In D. A. Clímaco (Ed.), Cuestiones y horizontes: De la dependencia histórico-estructural a la colonialidad/descolonialidad del poder (pp. 285–327). CLACSO. http://biblioteca.clacso.edu.ar/clacso/se/20140424014720/Cuestionesyhorizontes.pdf

Rodrigues, A. D. (1986). Línguas brasileiras: Para o conhecimento das línguas indígenas. Edições Loyola.

Roldão, C. (2019). Os afrodescendentes no sistema educativo português: Racismo institucional e continuidades coloniais. In A. R. Oliva, M. N. Chaves, R. C. Garcia-Filice, & W. F. Nascimento (Eds.), Tecendo redes antirracistas: Áfricas, Brasis, Portugal (pp. 163–185). Autêntica.

Santos, F. S., & Almeida-Filho, N. de. (2012). A quarta missão da universidade: Internacionalização universitária na sociedade do conhecimento. Editora Universidade de Brasília; Imprensa da Universidade de Coimbra.

Secretaria de Educação Fundamental. (1998). Parâmetros curriculares nacionais: Terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: Língua estrangeira. Ministério da Educação e do Desporto. http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/pcn_estrangeira.pdf

Spears, E. (2014). O valor de um intercâmbio: Mobilidade estudantil brasileira, bilateralismo & internacionalização da educação. Revista Eletrônica de Educação, 9(1), 151–163. https://doi.org/10.14244/198271991026

UNESCO Institute of Statistics. (s.d.). Global flow of tertiary-level students. Retirado a 27 de fevereiro de 2020 de http://uis.unesco.org/en/uis-student-flow

Universidade Estadual de Campinas. (s.d.). Política de línguas. Enciclopédia das Línguas no Brasil. Retirado a 18 de março de 2022 de https://www.labeurb.unicamp.br/elb/portugues/lingua_oficial.htm

Venâncio, F. (2022). O português à descoberta do brasileiro. Guerra e Paz.

Windle, J., & Nogueira, M. A. (2015). The role of internationalisation in the schooling of Brazilian elites: Distinctions between two class fractions. British Journal of Sociology of Education, 36(1), 174–192. https://doi.org/10.1080/01425692.2014.967841

Publicado

2022-06-22

Como Citar

Borges, R. A. (2022). (Des)Colonialidade Linguística e Interculturalidade nas Duas Principais Rotas da Mobilidade Estudantil Brasileira. Comunicação E Sociedade, 41, 189–208. https://doi.org/10.17231/comsoc.41(2022).3718