Refúgio e colonização do futuro: fronteiras erguidas nas palavras

Autores

  • Fernando Resende Departamento de Estudos Culturais e Mídia, Programa de Pós-graduação em Comunicação, Universidade Federal Fluminense, Brasil https://orcid.org/0000-0002-7878-4840
  • Fabio Ferreira Agra Programa de Pós-graduação em Comunicação, Universidade Federal Fluminense, Brasil https://orcid.org/0000-0001-5546-9349

DOI:

https://doi.org/10.17231/comsoc.38(2020).2599

Palavras-chave:

colonização, jornalismo, narrativa, refugiados, tempo

Resumo

Este trabalho propõe pensar a migração forçada para a Europa sob a perspectiva de uma narrativa jornalística ancorada em repetições e reiterações de determinadas palavras que, ao produzir sentidos, resultam em uma visão de mundo que estabelece a presença dos migrantes e dos refugiados como razão de uma desordem ao que está posto. Assim, buscamos entender que esse processo contribui para o que denominamos de colonização do futuro, a partir das ideias de Giddens (2002) e Gomes (2004). Neste processo, projeta-se uma ordem, através das palavras, baseada em um pensamento construído ao longo dos períodos de colonização europeia. Seus resquícios se acumulam e formam camadas que se desvelam nas narrativas jornalísticas e nas fronteiras. Ambas nos servem como metáfora e materialização dos conflitos e das relações de poder que impõe ao migrante e ao refugiado a condição do diferente, do “outro”. Queremos propor que há uma narrativa na/de fronteira no jornalismo que contribui para a produção de sentido no processo migratório que enseja pensar apenas por um dos lados da fronteira. Nesse cenário fronteiriço, pensá-lo sob o aspecto de uma colonização do futuro pelas palavras nos impõe o desafio de entender que o jornalismo também é construtor de um tempo inventado narrativamente. Para este trabalho, foram analisados textos do jornal brasileiro Folha de São Paulo publicados entre setembro e dezembro de 2015, momento em que houve um maior aprofundamento dos debates acerca do refúgio na Europa. O recorte para a análise seguiu a partir das palavras refugiados, fronteiras e controle.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ACNUR, Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados. (2013). Global trends forced displacement 2012. Retirado de https://www.unhcr.org/statistics/country/51bacb0f9/unhcr-global-trends-2012.html?query=global%20trends%202012

ACNUR, Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados. (2014). Global trends forced displacement 2013. Retirado de https://www.unhcr.org/statistics/country/5399a14f9/unhcr-global-trends-2013.html?query=global%20trends%202013

ACNUR, Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados. (2015). Global trends forced displacement 2014. Retidado de https://www.unhcr.org/statistics/country/556725e69/unhcr-global-trends-2014.html?query=Global%20Trends%20Forced%20Displacement

ACNUR, Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados. (2016). Global trends forced displacement 2015. Retirado de https://www.unhcr.org/statistics/unhcrstats/576408cd7/unhcr-global-trends-2015.html

ACNUR, Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados. (2019). Global trends forced displacement 2018. Retirado de https://www.unhcr.org/statistics/unhcrstats/5d08d7ee7/unhcr-global-trends-2018.html

Arendt, H. (2016). A questão da minoria. In J. Kohn & R. H. Feldman (Eds.), Escritos Judaicos (pp. 289-299). Barueri, SP: Amarilys.

Bakhtin, M. (2010). Marxismo e Filosofia da Linguagem. São Paulo: Hucitec.

Bauman, Z. (2006). Europa: uma aventura inacabada. Rio de Janeiro: Zahar.

Bhabha, H. K. (1998). O local da cultura. Belo Horizonte: Editora UFMG.

Bosi, A. (2014). Dialética da colonização. São Paulo: Companhia das Letras.

Charaudeau, P. (2006). Discursos da mídia. São Paulo: Contexto.

Foucault, M. (2014). Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis, RJ: Vozes.

Gallas, L. (2013, 04 de novembro). Decolonialidade como o caminho para a cooperação. Revista Instituto de Humanitas Unisinos On-line. Retirado de http://www.ihuonline.unisinos.br/index.php?option=com_content&view=%20article&id=%205253&secao

Georgiou, M. & Zaborowski, R. (2017). Media coverage of the “refugee crisis”: a cross-European perspective. (s.l.): Council of Europe Report.

Giddens, A. (2002). Modernidade e identidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed.

Gomes, M. R. (2004). Jornalismo e filosofia da comunicação. São Paulo: Escrituras Editora.

Gomes, M. R. (2009). Jornalismo: poder disciplinar. Revista Kairós, 6, 1-6.

Gomes, M. R. (2018). Bordando o manto do mundo: prática jornalística, Volume 1. São Paulo: ECA-USP.

Grosfoguel, R. (2007). Migrantes coloniales caribeños en los centros metropolitanos del sistema-mundo. Los casos de Estados Unidos, Francia, los Países Bajos y el Reino Unido. Barcelona: CIDOB edicions.

Haesbaert, R. (2009). Dilemas de conceitos: espaço-território e contenção territorial. In M. A. Saquet & E. S. Sposito (Eds.), Territórios e territorialidades: teorias, processos e conflitos (pp. 95-120). São Paulo: Editora Expressão Popular.

Mais de 20 mil migrantes morreram em travessias no Mediterrâneo desde 2014 (2020, 06 de março). ONU News. Retirado de https://news.un.org/pt/story/2020/03/1706451

Mbembe, A. (2018). Crítica da razão negra. São Paulo: N-1 Edições.

Mignolo, W. (2005). A colonialidade de cabo a rabo: o hemisfério ocidental no horizonte conceitual da modernidade. In E. Lander (Ed.), A colonialidade do saber – eurocentrismo e ciências sociais – perspectivas latino-americanas (pp. 35-54). Buenos Aires: CLACSO Livros.

Mignolo, W. (2011). The darker side of Western modernity: global futures, decolonial options. EUA: Duke University Press.

Mignolo, W. (2017). Conolonialidade: o lado mais escuro da modernidade. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 32(94), e329402, 1-18.

Moradores gregos queimam centro de acolhida para impedir que refugiados o utilizem (2020, 01 de março). Folha de São Paulo. Retirado de https://www1.folha.uol.com.br/mundo/2020/03/moradores-gregos-queimam-centro-de-acolhimento-para-impedir-que-refugiados-o-utilizem.shtml

Nora, P. (1993). Entre memória e história: a problemática dos lugares. Projeto História, 10, 7-28.

Quijano, A. (2002). Colonialidade, poder, globalização e democracia. Novos Rumos, 17(37), 4-28.

Resende, F. (2014). The global South: conflicting narratives and the invention of geographies. IBRAAZ - Contemporary Visual Culture in North Africa and the Middle East. Retirado de https://www.ibraaz.org/essays/111/

Resende, F. (2017). Imprensa e conflito: narrativas de uma geografia violentada. In A. T. Peixinho & B. Araújo (Eds.), Narrativa e media: gênero, figuras e contextos (1.ª ed.) (pp. 105-136). Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra.

Ricoeur, P. (1994). Tempo e narrativa (tomo 1). Campinas, SP: Papirus.

Sodré, M. (2012). A narração do fato: notas para uma teoria do acontecimento. Petrópolis, RJ: Vozes.

Publicado

2020-12-23

Como Citar

Resende, F., & Agra, F. F. (2020). Refúgio e colonização do futuro: fronteiras erguidas nas palavras. Comunicação E Sociedade, 38, 161-178. https://doi.org/10.17231/comsoc.38(2020).2599