Imaginação e Imaginário - um jogo actual entre a vertigem, a neutralização e as idealidades

Autores

  • Luís Carmelo Universidade Autónoma de Lisboa

DOI:

https://doi.org/10.17231/comsoc.4(2002).1287

Resumo

Neste artigo, analisam-se as tensões entre a imagem e a imaginação no quadro da contemporaneidade instantanista e global. 0 processo descrito põe em evidência a celeridade dos fluxos e a dificuldade de produzir discursos que os explicassem. Neste quadro, propõe-se para o imaginário um papel de interface que permitisse equilibrar a disjunção entre verdade e sentido que, para F. Gil, constitui o par essencial de metáforas da modernidade: «entre a eficácia dos formalismos produtores de conhecimento, que são o traço distintivo da modernidade, e a intimidade das pertenças naturais: a uma língua, a uma comunidade, a uma experiência transmitida».Nesta linha de ideias, o artigo persegue a ideia segundo a qual o conhecimento e os produtos e práticas tecnológicos a ele associados determinam, hoje em dia, homogeneidades que estão a desequilibrar as chamadas «pertensças naturais», ou, por outras palavras, dir-se-ia que a imagem omnipolitana está cada vez mais a pressionar o nível da imaginação gregária, moderna e tradicional. Neste abismo global, dominado progressivamente pela «metacidade teleóptica», como diria Virilio, o papel do imaginário continua a ser o de uma inteligibilidade, embora cada vez mais centrada na vertigem e no risco das expectativas e idealidades (que não reconstituem em plena a ser-dito do mundo e o seu jogo de pressões desiguais) do que na produção de discursos propriamente dita.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##submission.downloads##

Publicado

2013-01-16

Como Citar

Carmelo, L. (2013). Imaginação e Imaginário - um jogo actual entre a vertigem, a neutralização e as idealidades. Comunicação E Sociedade, 4, 131-145. https://doi.org/10.17231/comsoc.4(2002).1287

Edição

Secção

Comunicação e imaginário