Why subaltern language? Yes, we speak Portuguese! Para uma crítica da colonialidade da língua na mobilidade estudantil internacional

Autores

  • Rovênia Borges Ministério da Educação, Brasil
  • Almerindo Afonso Instituto de Educação, Universidade do Minho

DOI:

https://doi.org/10.17231/comsoc.34(2018).2935

Palavras-chave:

Língua inglesa, Brasil/Portugal, internacionalização, desigualdades, colonialidade

Resumo

Comunicar fluentemente em língua inglesa, possibilidade vulgarmente associada à condição de classe social e à posse de outros bens posicionais, tornou-se uma das principais vantagens competitivas para participar de programas de estudo e de pesquisa em universidades bem localizadas nos rankings académicos. A nível mais geral, face às desigualdades sociais e educacionais, a hegemonia da língua inglesa constitui um obstáculo para os países de língua portuguesa que investem em políticas de internacionalização para a qualificação avançada de pesquisadores em áreas científicas, nomeadamente naquelas que induzem inovação e trazem mais-valias para a economia do conhecimento. Sob perspetiva comparada, e tendo em conta alguns pressupostos das teorias críticas pós-coloniais, este artigo faz uma reflexão sobre como as políticas da língua inglesa nos países acima referidos contribuem para reforçar desigualdades e desvantagens para muitos candidatos a programas de mobilidade científica internacional

Downloads

Não há dados estatísticos.

##submission.downloads##

Publicado

2018-12-17

Como Citar

Borges, R., & Afonso, A. (2018). Why subaltern language? Yes, we speak Portuguese! Para uma crítica da colonialidade da língua na mobilidade estudantil internacional. Comunicação E Sociedade, 34, 59-72. https://doi.org/10.17231/comsoc.34(2018).2935