O imperativo da regulação participada

Autores

  • Alfredo Maia Jornal de Notícias

DOI:

https://doi.org/10.17231/comsoc.11(2007).1137

Palavras-chave:

Regulação dos media, jornalismo, ERC, código deontológico

Resumo

Apesar de os jornalistas portugueses, tal como os jornalistas de todo o mundo, se sentirem muito orgulhosos por assumir a sua auto-regulação voluntária como essencial para a responsabilidade social da sua profissão, esta auto-regulação é muito escassa e, em alguns casos, totalmente irrelevante. Em termos de regulação, a recém-criada ERC tem um problema de génese. A lei que criou a ERC não foi tão debatida como seria necessário, tal como sugerido pelo Sindicato de Jornalistas. Assim sendo, esta lei excluiu os profissionais regulados e a sociedade civil, criando, ao mesmo tempo, uma atmosfera de cepticismo e suspeição à volta dos membros da ERC.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##submission.downloads##

Publicado

2012-12-20

Como Citar

Maia, A. (2012). O imperativo da regulação participada. Comunicação E Sociedade, 11, 149-155. https://doi.org/10.17231/comsoc.11(2007).1137

Edição

Secção

Regulação, auto-regulação e empresas mediáticas