“Tenho pena que não sinalizes quando fazes publicidade”: audiência e conteúdo comercial no canal Sofia Barbosa no YouTube

  • Barbara Janiques de Carvalho Faculdade de Letras, Universidade de Coimbra, Portugal / Centro Interdisciplinar de Ciências Sociais (CICS.NOVA), Portugal https://orcid.org/0000-0001-6203-7333
  • Lidia Marôpo Departamento de Ciências da Comunicação e da Linguagem, Escola Superior de Educação, Instituto Politécnico de Setúbal / Centro Interdisciplinar de Ciências Sociais (CICS.NOVA), Portugal https://orcid.org/0000-0003-4687-7628
Palavras-chave: jovens, microcelebridade, autenticidade, comercialismo, YouTube

Resumo

Este artigo trata do contexto da microcelebrização digital vivenciado por crianças e adolescentes, nomeadamente, em sites de redes sociais como o YouTube. O objetivo do trabalho está em perceber como as jovens audiências do popular canal português Sofia Barbosa, no YouTube, constroem sentidos sobre os conteúdos comerciais e a autenticidade que a youtuber apresenta. A metodologia utilizada tem cariz qualitativo e contou com a netnografia para a análise de 1.961 comentários feitos pelos subscritores em 10 vídeos publicados entre janeiro e outubro de 2018. Como forma de melhor compreender o contexto em que estavam inseridos os comentários, analisamos também os aspetos visuais, verbais e comerciais dos vídeos. Os comentários demonstram uma perceção de proximidade e intimidade por parte dos seguidores em relação à Sofia e uma forte aceitação do conteúdo comercial promovido pela jovem. No entanto, percebe-se em vários momentos uma reflexividade crítica em relação às práticas mercadológicas da youtuber, nomeadamente no que diz respeito à falta de transparência nas relações comerciais, o que se apresenta como uma oportunidade para equilibrar uma visão romantizada que muitos subscritores têm das microcelebridades com uma compreensão mais racional sobre a indústria que os sustenta.

Downloads

Dados de Download não estão ainda disponíveis.

Referências

Anderson, M. & Jiang, J. (2018). Teens, social media & technology 2018. Washington: Pew Research Center. Retirado de https://www.pewresearch.org/internet/2018/05/31/teens-social-media-technology-2018/

Banet-Weiser, S. (2011). Branding the post-feminist self: girls’ video production and YouTube. In M. C. Kearney (Ed.), Mediated girlhoods: new explorations of girls’ media culture (pp. 277-294). Nova Iorque: Peter Lang.

Burgess, J. & Green, J. (2009). YouTube e a revolução digital: como o maior fenômeno da cultura participativa transformou a mídia e a sociedade. São Paulo: Aleph.

Castells, M. (2007). A galáxia internet. Reflexões sobre internet negócios e sociedade. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Carvalho, B. J. (2019). Entre o afeto e o consumo: perceções e interações de uma jovem youtuber e suas audiências. Dissertação de Mestrado, Universidade do Minho, Braga, Portugal. Retirado de http://repositorium.sdum.uminho.pt/handle/1822/61234

Chaves, S. (2017, 19 de novembro). 8 vloggers de beleza que deve seguir no Instagram. Nit. Retirado de https://nit.pt/vanity/beleza/vloggers-beleza-seguir-instagram

Crawford, M. (2015). Introduction: attention as a cultural problem. In C. Matthew (Ed.), The world beyond your head: on becoming an individual in an age of distraction (pp. 3-28). Nova Iorque: Farrar, Straus and Giroux.

Fragoso, S., Recuero, R. & Amaral, A. (2011). Métodos de pesquisa para internet. Porto Alegre: Sulina.

García-Rapp, F. (2017). Popularity markers on YouTube’s attention economy: the case of Bubzbeauty. Celebrity Studies, 8(2), 228–245. https://doi.org/10.1080/19392397.2016.1242430.

Igartua, J. & Humanes, M. (2004). El método científico aplicado a la investigación en comunicación social. Aula abierta, Lecciones básicas. Portal de la Comunicación. Retirado de https://www.researchgate.net/profile/Maria_Humanes/publication/237584442_El_metodo_cientifico_aplicado_a_la_investigacion_en_comunicacion_social/links/00b49526104d2d1485000000/El-metodo-cientifico-aplicado-a-la-investigacion-en-comunicacion-social.pdf

Jorge, A., Amaral, I. & Mathieu, D. (2018). The co-option of audiences in the attention economy: introduction. Observatório [Vol. Especial], 1-4.

Jorge, A., Marôpo, L. & Nunes, T. (2018). ‘I am not being sponsored to say this’: a teen youtuber and her audience negotiate branded content. Observatório [Vol. Especial], 76-96.

Khamis, S., Ang, L. & Welling, R. (2016). Self- branding, ‘micro-celebrity’ and the rise of Social Media Influencers. Celebrity Studies, 18, 1-18. http://dx.doi.org/10.1080/19392397.2016.1218292

Lipovetsky, G. & Serroy, J. (2010). O ecrã global: cultura mediática e cinema na era hipermoderna. Lisboa: Edições 70.

Marôpo, L., Sampaio, I. & Pereira, N. (2018). Meninas no YouTube: participação, celebrização e cultura do consumo. Estudos em Comunicação, 16(1), 175-195.

Marwick, A. E. (2010). Status update: celebrity, publicity and self-branding in web 2.0. Tese de Doutoramento, New York University, Nova Iorque, EUA. Retirado de https://www.academia.edu/27795511/Status_Update_Celebrity_Publicity_and_Self_Branding_in_Web_2.0_PhD_Dissertation

NRF & IBM. (2017). Uniquely gen Z: executive report. Retirado de https://nrf.com/research/uniquely-gen-z

O’Neil-Hart, C. & Blumenstein, H. (2016, junho). Why YouTube stars are more influential than traditional celebrities [Post em blogue]. Retirado de https://goo.gl/7YdeSD

Pereira, S., Moura, P. & Fillol, J. (2018). The youtubers phenomenon: what makes YouTube stars so popular for young people? Fonseca, Journal of Communication, 17, 107-123.

Pereira, S., Pinto, M. & Moura, P. (2015). Níveis de literacia mediática: estudo exploratório com jovens do 12º ano. Braga: CECS.

Raun, T. (2018). Capitalizing intimacy: New subcultural forms of micro- celebrity strategies and affective labour on YouTube. Convergence: The International Journal of Research into New Media Technologies, 24(1), 99–113. https://doi.org/10.1177/1354856517736983.

Sampaio, I & Cavalcante, A. (2016). Publicidade infantil em tempos de convergência. Relatório final, Universidade Federal do Ceará, Ceará, Brasil.

Senft, T. (2008). Camgirls: celebrity and community in the age of social networks. Estados Unidos: Peterlang.

TEDx Talks. (2018). “Nunca Digas Nunca” | Sofia Barbosa | TEDxBraga. Retirado de https://www.youtube.com/watch?v=gtxNZwcwD9s

Tomaz, R. (2017). O que você vai ser antes de crescer: youtubers, infância e celebridade. Tese de Doutoramento, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil.

Van Dijck, J. (2017). Confiamos nos dados? As implicações da datificação para o monitoramento social. Matrizes, 11(1), 39-59. https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v11i1p39-59

Williamson, D. (2016, 4 de março). Como as marcas podem usar influenciadores. Meio e Mensagem. Retirado de http://www.meioemensagem.com.br/home/marketing/2016/03/04/como-as-marcas-podem-usar-influenciadores.html

Publicado
2020-06-29
Como Citar
Carvalho, B., & Marôpo, L. (2020). “Tenho pena que não sinalizes quando fazes publicidade”: audiência e conteúdo comercial no canal Sofia Barbosa no YouTube. Comunicação E Sociedade, 37, 93-107. https://doi.org/10.17231/comsoc.37(2020).2394