Participação e património cultural imaterial: o estudo de caso de “Tava, lugar de referência para o povo Guarani”

Autores

DOI:

https://doi.org/10.17231/comsoc.36(2019).2349

Palavras-chave:

Brasil, Guarani, participação, património cultural imaterial, património dialógico

Resumo

A categoria de património cultural imaterial (PCI), institucionalizada no início deste século por diversos países (no ano 2000, no caso do Brasil) e, a nível internacional, pela Unesco (2003), exige a participação dos grupos e comunidades detentores dos bens culturais na sua identificação, salvaguarda e manutenção. Devido ao carácter recente destas políticas patrimoniais, ainda existe um número reduzido de estudos que reflitam sobre os níveis e estratégias de participação utilizados no PCI. Mais recentemente, Rodney Harrison (2013) defendeu a importância de não só estudar a participação de humanos nos processos patrimoniais, mas também, nomeadamente, em contextos indígenas, de não humanos. Com o intuito de contribuir para estas discussões, o artigo descreve e analisa a patrimonialização das ruínas da Missão Jesuítico-Guarani de São Miguel, localizadas no estado brasileiro de Rio Grande do Sul, enquanto “Tava, Lugar de Referência para o Povo Guarani”. O processo durou uma década e encontrou inicialmente diversas resistências por parte dos Guarani. Contudo, o estabelecimento de relações de reciprocidade e de afinidade entre agentes indígenas e não indígenas, o reconhecimento das potencialidades políticas do PCI e a influência de aspetos de ordem espiritual, incluindo de não humanos, promoveram a participação dos Guarani, que demonstraram ser atores essenciais para a identificação e registo do bem cultural em 2014.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Ashworth, G. J. & Turnbridge, J. (1996). Dissonant heritage: the management of the past as a resource in conflict. Chichester: Wiley.

Ashworth, G. J., Graham, B. & Turnbridge, J. (2007). Pluralising pasts: heritage, identity and place in multicultural societies. Londres: Pluto Press.

Batista, J. (2015). Dossiê Missões: as ruínas. Brasília: IBRAM.

Blake, J. (2009). Unesco’s 2003 Convention on intangible cultural heritage: the implications of community involvement in “safeguarding”. In L. Smith & N. Akagawa (Eds.), Intangible heritage (pp. 45-73). Londres/Nova Iorque: Routledge.

Bortolotto, C. (2014). La problemática del patrimonio cultural inmaterial. Culturas. Revista de Gestión Cultural, 1(1), 1-22. https://doi.org/10.4995/cs.2014.3162

Carvalho, A., Carvalho, E. I. de & Carelli, V. (2011). Vídeo nas aldeias: 25 Anos. Olinda: Vídeo nas Aldeias.

Casanova, P. G. (1965). Internal colonialism and national development. Studies in Comparative International Development, 1(4), 27-37.

Castro, E. V de. (2002a). A inconstância da alma selvagem e outros ensaios de Antropologia. São Paulo: Cosac Naify.

Castro, E. V. de. (2002b). O nativo relativo. Mana, 8(1), 113-48.

Clastres, P. (1974/2013). A sociedade contra o Estado: pesquisas de antropologia política. São Paulo: Cosac Naify.

Cooke, B. & Kothari, U. (2002). Participation: the new tyranny? Londres/Nova Iorque: Zed Books.

Cunha, M. C. da. (2008). “Culture” and culture. Traditional knowledge and intelectual rights. Cambridge: Prickly Paradigm Press.

Ganson, B. (2003). The Guaraní under Spanish rule in the Río de la Plata. Stanford: Stanford University Press.

Handler, R. (1988). Nationalism and the politics of culture in Quebec. Madison: The Wisconsin University Press.

Harrison, R. (2013). Heritage: critical approaches. Oxon/Nova Iorque: Routledge.

Herzfeld, M. (1991). A place in history: social and monumental time in a Cretan town. Princeton: Princeton University Press.

INRC – Inventário Nacional de Referências Culturais (2006). Relatório da etapa de identificação sítio comunidade Mbyá-Guarani São Miguel Arcanjo. Porto Alegre: IPHAN/RS & NIT/UFRGS.

IPHAN (2014). Ata da 77ª Reunião do Conselho Consultivo do Patrimônio Cultural – Brasília – 03 e 04 de Dezembro de 2014. Retirado de http://portal.iphan.gov.br/uploads/atas/ATA__77_Reuniao_Conselho_Consultivo__03_e_04122014.pdf

Lacerda, R. (2018a). O plano, o contraplano e o “plano sem plano”: imagens ocidentais e os Mbya Guarani das Ruínas de São Miguel. Iluminuras, 19(46), 135-168. https://doi.org/10.22456/1984-1191.85245

Lacerda, R. (2018b). The collaborative indigenous cinema of Vídeo na Aldeias and the intangible cultural heritage. MEMORIAMEDIA, 3, 1-11.

Ladeira, M. I. (1992/2007). O caminhar sob a luz: território Mbya à beira do oceano. São Paulo: Editora UNESP.

Milne, E-J. (2012). Saying “no” to participatory video: unraveling the complexities of (non) participation. In E-J Milne, C. Mitchell & N. de Lange (Eds.), Handbook of participatory video (pp. 257-268). Plymouth: Altamira Press.

Moraes, C. E. N. (2010). A refiguração da Tava Miri São Miguel na memória coletiva dos Mbyá-Guarani nas Missões/RS, Brasil. Tese de doutoramento, Universidade Federal de Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil.

Morinico, J. R., Beñites, G., Ortega, A. (Realizadores). (2008). Mokoi Tekoá Petei Jeguatá, Duas aldeias, uma caminhada [Filme]. Brasil: Vídeo nas Aldeias.

Noyes, D. (2006). The judgment of Solomon: global protections for tradition and the problem of community ownership. Cultural Analysis, 5, 27-56.

Ortega, A., Ferreira, P. (Realizadores). (2011). Bicicletas de Nhanderu [Filme]. Brasil: Vídeo nas Aldeias.

Ortega, A., Ferreira, P., Carvalho, E. I., Carelli, V. (Realizadores). (2012). Tava, a casa de pedra [Filme]. Brasil: Vídeo nas Aldeias.

Pierri, D. (2018). O perecível e o imperecível: reflexões Guarani Mbya sobre a existência. São Paulo: Elefante.

Pires, D. de M. (2007). Alegorias etnográficas do Mbya rekó em cenários interétnicos no Rio Grande do Sul (2003-2007): discurso, prática e holismo Mbyá frente às políticas públicas diferenciadas. Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil.

Pissolato, E. (2007). A duração da pessoa: mobilidade, parentesco e xamanismo Mbya (Guarani). São Paulo: Editora da UNESP.

Quijano, A. (2010). Coloniality and modernity/rationality. In W. D. Mignolo & A. Escobar (Eds.), Globalization and the decolonial option (pp. 22-32). Oxon/Nova Iorque: Routledge.

Rose, D. (2011). Wild dog dreaming: love and extinction. Charlottesville/Londres: University of Virginia Press.

Schaden, E. (1974). Aspectos fundamentais da cultura Guarani. São Paulo: Editora da Universidade USP.

Smith, L. (2006). Uses of heritage. Oxon: Routledge.

Souza, J. O. C. (1998). Aos fantasmas das Brenhas: etnografia, invisibilidade e etnicidade de alteridades originárias no sul do Brasil. Tese de doutoramento, Universidade Federal de Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil.

##submission.downloads##

Publicado

2019-12-20

Como Citar

Lacerda, R. (2019). Participação e património cultural imaterial: o estudo de caso de “Tava, lugar de referência para o povo Guarani”. Comunicação E Sociedade, 36, 143-162. https://doi.org/10.17231/comsoc.36(2019).2349

Edição

Secção

Artigos temáticos