[1]
S. Sengün, «Por que é que hei de apaixonar-me por um duende, quando também não sou nenhum ogre? As implicações dos avatars virtuais na comunicação digita»l, revistacomsoc, vol. 27, pp. 167-180, Jun. 2015.