Voltar a Detalhes do Artigo Por que é que hei de apaixonar-me por um duende, quando também não sou nenhum ogre? As implicações dos avatars virtuais na comunicação digital Transferir Descarregar PDF